O que é constelação Familiar? Constelação Familiar individual com bonecos? - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa

É um método desenvolvido por Bert Hellinger, que foi profundamente aprimorado ao longo dos anos e possui uma abordagem sistêmica fenomenológica.

 

Ele observou e pesquisou famílias e organizações em diversos lugares do mundo, ao longo de sua história de vida, e percebeu que toda estrutura, seja ele familiar ou organizacional possuem leis que regem o equilíbrio deste sistema, e que ele deu o nome de “Ordens do Amor”.

 

Para Bert Hellinger tudo na vida está a serviço do amor, e quando há um desequilíbrio neste fluxo, podem ocorrem emaranhamentos e isso prejudica o curso natural de nossas vidas.

De uma maneira simples e objetiva, Bert Hellinger nos faz pensar na nossa família, e que a história de cada um dos membros que compõe ela nos pertence também. O que foi vivido por nossos antepassados (pais, avós, bisavós entre outros) também faz parte da nossa história e estamos ligados a eles de maneira inconsciente e permanente.

 

Algumas vezes essas ligações podem não estar acontecendo de uma maneira saudável (aspectos inconscientes) e é neste momento que podemos utilizar este método para busca de soluções, encontrando e dando o devido lugar a cada um dos membros da família ou nós mesmos.

 

A Constelação familiar pode dissolver padrões antigos (conflitos, doenças, dificuldades afetivas, financeiras e etc) que de alguma maneira podem estar impedindo o fluxo de energia, ou como diz Bert Hellinger, o fluxo do amor entre os membros deste sistema.

 

Ela atua diretamente nas questões que estavam ocultas dentro deste sistema, estabelecendo um novo fluxo a caminho de melhorias ou mudanças, podendo dissolver antigos padrões e trazendo soluções libertadoras e / ou cura.

psicologia clínica (4).png
As vantagens da Constelação Familiar podem ser:

- Ela é perfeita para pessoa que estão em busca de agilidade e não querem investir em um processo de Psicoterapia, pois trata-se de um método breve, ou seja, o atendimento é realizado em apenas um encontro de uma e no máximo duas horas;

- Você pode constelar quantas vezes quiser, um tema por vez (Respeitando o que foi trabalhado em cada constelação, pois ela terá um tempo de ação, que varia de pessoa para pessoa);

- Algumas pessoas já relatam benefícios logo que saem da sessão. Porém para cada pessoa o resultado é diferente, sendo que para algumas o tempo pode variar de um dia a dois anos, segundo Bert Hellinger. 

- Quando você trabalha um tema particular, todos os membros de sua família também são beneficiados pelo método, sendo que eles não precisam estar presentes durante o atendimento.

- Outros benefícios podem ser mencionados: vontade de viver; melhora no relacionamento familiar; prosperidade; percepção do que antes era um problema e depois da constelação pode ser mostrar uma lição, entre outros. 

As ordens do Amor

 

O que são as Ordens do Amor?  Segundo Bert Hellinger existem alguns pilares que são fundamentais para o equilíbrio nas relações e em nossas vidas:

 

  • Todos tem o direito de pertencer ao seu sistema de origem;
  • Todos têm direito ao amor, ou seja, amar e ser amado;
  • Deve haver um equilíbrio entre dar e receber;
  • Devemos respeitar e honrar nossos antepassados;
  • Existe a hierarquia na ordem familiar e ela deve ser considerada e respeitada.

 

Seguindo estas diretrizes, haverá o restabelecimento do equilíbrio do fluxo da vida e o sistema poderá operar com mais harmonia e amor e todos os membros poderão usufruir deste equilíbrio em todos os aspectos de suas vidas.

Direito ao amor - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa
Hierarquia - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa
Equilíbrio entre dar e receber - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa
Pertencimento - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa
Tentando entender um pouquinho mais sobre o que é constelação familiar - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa

Diversas questões podem ser pensadas e consideradas sob a perspectiva e o método da Constelação Familiar.

 

Cada um de nós faz parte de um sistema familiar, único e que tem sua força e ligações.

 

E estamos ligados por ordens que pertencem à dimensão do amor, ou seja, independente do que fazemos, de maneira consciente ou inconsciente, dizem respeito a um sistema muito maior, que são nossos ancestrais.

 

Dependendo da situação, “por amor”, fazemos escolhas ou agimos de determinada maneira por estarmos ligado a histórias de pessoas que 

vieram antes de nós, e como uma maneira de trazer ordem ou luz a esta questão, repetimos comportamentos ou ações de familiares com as quais estamos conectados, mesmos que de maneira inconsciente. 

 

Por que somente uma ou outra pessoa da família passa por isso? – Essa resposta ainda não é certa, mas percebe-se que de determinada forma são pessoas que possuem maior sensibilidade ou de alguma maneira, tem alguma ligação com a história ou a forma que essa pessoa era.

 

Uma vez me disseram: “Mas eu não acredito em nada disso”.  E as Ordens do Amor dizem 

respeito a algo maior, não relacionado ao que você acredita ou não, ao que você pode ver ou não.

 

É algo como o Ar… você não enxerga, mas tem certeza que ele está lá. Ou como a gravidade, você também não vê, mas continua com os pés presos no chão.

 

Desta maneira, as Ordens do amor que dizem respeito a: Amor; Ordem e Lugar; Hieraquia e Equilibrio entre dar e receber...

 

E estão a nossa disposição para serem entendidas, elaboradas e incorporadas em nossas vidas, para que as ordens e o fluxo natural da vida possa ser retomado e vivido em toda a sua potencialidade e possibilidade. 

 

Venha fazer uma constelação e conhecer um pouco desse método que pode lhe ajudar a resinificar aspectos de sua vida.

No que a Constelação Familiar pode me ajudar? - Marilice Everton Zanato Psicologia ME - Psicóloga Clínica, Psicóloga Organizacional e Facilitadora em Constelações Familiares em Grupo e com Bonecos  e PanGarden / Constelação Criativa

Ela pode ser utilizada para uma infinidade de questões que possam estar atrapalhando o fluxo natural de sua vida ou de suas realizações.

Eis alguns exemplos no que ela pode auxiliar:

 

  • Melhorar o relacionamento entre membros de uma família; 
  • Melhorar relacionamento de conjugal; 
  • Melhorar o relacionamento com filhos;
  • Melhorar o relacionamento entre pais e filhos;
  • Melhorar o relacionamento entre irmãos;
  • Problemas com vícios;
  • Abortos;
  • Problemas afetivos ou emocionais;
  • Problemas de saúde (Ex. Transtorno do Pânico, Depressão, entre outros);
  • Dificuldade ou problemas financeiros;
  • Situações ou conflitos amorosos / afetivos;

Dificuldades no ambiente profissional / corporativo; 

  • Herança ou partilha;
  • Tomada de decisões;
  • Relação de Compra ou venda;
  • Sensação de vazio ou de desencaixe em relação a vida;
  • Vontade de morrer;
  • Tristeza profunda;
  • Superar o fim de um relacionamento ou a morte de alguém querido;
  • Valor em relação a vida e as coisas; 
  • Entre tantas outra questões.

 

Se você considera que existem dificuldades em sua vida, mas que não sabe como lidar ou resolver, venha conhecer o método de Constelação Familiar.

 

Ele poderá lhe auxiliar nesta busca de entendimento e nova consciência por uma vida possível e real. 

Quero conhecer o método de Constelação Familiar:

Se você ficou curioso, ainda tem algumas dúvidas ou deseja agendar um horário para fazer sua Constelação Familiar individual com Bonecos, preencha o formulário ao lado que entrarei em contato para lhe auxiliar. 

 

Você pode fazer o pagamento diretamente no site clicando aqui.

Biblioteca - Textos sobre Constelação Familiar 

Constelação Familiar - Sempre tenho que desistir de algo porque o dinheiro acaba

Publicado em 7 de fevereiro de 2019 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois refere ter repetições em sua vida em relação a coisas que começa e nunca pode concluir por dificuldade financeira.

 

Já começou diversos cursos ou idéias, mas teve que deixar de lado, pois sempre o fator financeiro inviabilizava o processo e o seu desejo.

 

Peço para cliente me contar a sua história, e depois de eu desenhar o sistema familiar, tenho a impressão que existem duas exclusões.

 

O cliente acaba por me contar que teve um irmão que faleceu quando tinha um ano de idade e outro assassinado há poucos anos.

 

Depois de entender um pouco mais a história de sua família, iniciamos a constelação, porém deixei claro que iriamos experimentar a constelação, pois eu ainda não tinha idéia do que iria acontecer.

 

Peço para o cliente escolher um boneco para representar ele, um boneco para representar o dinheiro e um para representar a falta de dinheiro.

 

O dinheiro ele coloca atrás dele, e sente que é muito distante.

 

A falta de dinheiro ele coloca ao lado dele, e sente-se fraco.

 

Peço para ele escolher um boneco para representar o irmão excluído, mas como não fui clara, ele escolheu um boneco que representava o irmão assassinado, e coloca entre ele e o dinheiro.

 

Como ele havia incluído o boneco, e havia de certa forma uma conexão entre eles, colocamos as frases e fizemos um movimento e o cliente disse que se sentia mais leve.

 

Liberamos o boneco que representava o irmão mais velho e pedi para ele escolher um outro boneco para representar o irmão que ele perdeu quando ainda era uma criança.

 

Neste momento percebemos a conexão e a força.

 

Ele diz que o irmão faleceu por doença e falta de recursos e que não se lembra de nada desse irmão. Mas o sistema revela que ele está ligado ao irmão, quase que preso a esta história.

 

Falamos frases que liberam o cliente para que possa viver a sua vida e seguir o seu destino. Que ele sente muito pelo sofrimento do irmão, mas que cada um deve seguir o seu destino. Fiz isso de maneira muito respeitosa, pois eles estão ligados pelas forças do amor, mostrando que o fato do irmão ter sofrido, não ter vivido e partido em sofrimento, deixava o cliente ligado e de certa maneira com o sentimento de dívida por ele estar vivo.

 

Depois do movimento, reconhecemos que o dinheiro representava o pai que abandonou a família depois do falecimento do irmão em tenra idade. (Devolvemos as responsabilidades e intenções para que eles possam sentir-se mais leves e livres).

 

Nos voltamos para a falta de dinheiro, que representava a mãe e fazemos os movimentos e frases necessárias.

 

Colocamos ordem no sistema de maneira que o cliente pudesse tomar a força dos pais e seguir seu destino, da forma que ele bem entender, tomando a vida que lhe foi dada e fazendo bom uso dela.

 

Cliente diz sentir-se mais forte, leve e bem.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br
Atendimento – Santana, Vila Mariana e Skype / Videochamada.

Constelação Familiar - Doença incurável 

Publicado em 31 de janeiro de 2019 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois gostaria de saber se a Constelação Familiar poderia lhe ajudar a “curar” uma doença grave e que está avançando lentamente. Digo para ele que a Constelação Familiar pode trazer uma nova consciência e entendimento, um alívio ou algo parecido, mas que em hipótese alguma ela pode ser uma promessa de cura, pois não se sobrepõe a qualquer tipo de tratamento, podendo ser uma complementação, mas não uma substituição.

 

Digo para continuar o tratamento médico e a quimioterapia.

 

De uma maneira bem resumida, vou colocar as informações.

 

Cliente diz que desde que seu avô morreu ele nunca mais havia derramado uma lágrima na vida e que gostaria de saber por que isso acontecia.

 

Após entender um pouco mais sobre o sistema familiar, colocamos os bonecos.

 

Eu experimento primeiro uma hipótese, colocando ele e outros bonecos, mas o sistema fica sem força e não existe movimento de constelação.

 

Depois colocamos novamente ele e o avô em questão, e ele se emociona e uma dor vem junto, quando ele revela que nunca havia contado a ninguém o que iria dizer nesta constelação: O avô estava com uma doença terminal, e ele foi visitar o avô no hospital, quando viu seu sofrimento e prometeu para o avô que ele iria no lugar dele. Porém existem forças de vida que não podem ser manipuladas ou alteradas e o avô seguiu o destino dele, porém o neto ficou com a promessa sem ser cumprida e a culpa de não ter ajudado o avô como gostaria.

 

Tiramos a promessa na constelação, pois ela não seria de nada, neste momento o cliente se sente mais leve e chora emocionadamente.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs 1. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Obs 2. Todas as informações que podem expor o cliente são suprimidas na transcrição das sessões de constelação, preservando a privacidade e identidade dos clientes.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Santana / Vila Mariana / Skype

Constelação Familiar - Minha mãe não aceita minha homossexualidade

Publicado em 24 de janeiro de 2019 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois tem dificuldade de relacionamento com a mãe por conta de seu atual relacionamento afetivo.

 

Diz que o que lhe faz buscar a constelação é tentar restabelecer o respeito na relação entre as duas.

 

Ela me conta a história de seus pais, diz ser filha única deste relacionamento.

 

Me conta também a história dos pais de seus pais e após entender a cena toda, iniciamos a constelação familiar.

 

Peço para ela escolher um boneco que represente ela e um boneco para representar a mãe dela. Escolhemos também um boneco para representar o pai dela, que ela colocou próximo a ela. (O pai da cliente é falecido).

 

Ela escolhe bonecos que já dão algumas pistas sobre o que está acontecendo, além disso ela coloca a mãe e ela uma diante da outra, porém com um detalhe importante: Elas estão uma de frente para a outra, mas os olhares não se cruzem, mostrando que ambas estão olhando para fora do sistema.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar a avó materna. Ela coloca a avó materna exatamente ao lado da mãe, mas olhando na mesma direção da filha. (Ela escolhe um boneco masculino, e depois me diz que sente que essa história tem mais a ver com o avô do que com a avó, o que eu concordei também).

 

Colocamos então um boneco para representar a avó materna, pois o boneco escolhido antes, tinha realmente mais força do vô do que da avó.

 

Depois de analisarmos a cena, iniciamos os movimentos, tentando restabelecer a ordem.

 

O que fizemos nesta constelação:

 

– Estabelecemos a ordem / hierarquia na relação mãe e avós.
– Estabelecemos a hierarquia na relação da cliente com os pais, pois a mãe era mais pai e o pai era mais mãe.
– Liberamos a cliente para no que diz respeito a responsabilidade por suas escolhas e atos, agradecendo aos pais a vida que eles deram a cliente, mas que de agora em diante, ela cuidaria do resto.

 

Cliente sente-se mais forte e consegue olhar para todos no sistema com respeito e carinho.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - O dia que não teve Constelação Familiar 

Publicado em 21 de janeiro de 2019 por MariEZ

 

Cliente me procura e conta diversas histórias sobre o que deseja constelar, já informando ter feito uma constelação familiar recentemente e não entendeu nada e muito menos sabe dizer se teve algum benefício com o método.

 

Me conta um pouco sobre a sua estrutura familiar, dizendo a todo momento que os pais são exemplos ruins.

 

Digo que não temos um tema para constelar, pois tudo que ela me traz são queixas e não a tentativa de buscar um entendimento sobre o que acontece.

 

Depois de um tempo, ela diz querer constelar a relação dela com a mãe.

 

Após me explicar todo o sistema familiar, iniciamos a constelação.

 

Cliente posiciona os bonecos corretamente, percebe as forças do sistema, porém quando precisa olhar para a mãe, tentado restabelecer a hierarquia, ela se recusa.

 

Não consegue olhar e falar com a mãe, como se esperasse algo a mais dela.

 

Neste momento, faço o que já devia ter feito no começo do processo, encerro a constelação.

 

Nestes casos, a constelação pode auxiliar, mas se o filho, ou seja lá quem for, se mantiver na postura de sempre querer receber, mas não está disposto a dar, não existe o que ser feito.

 

Cliente fica insatisfeita com o processo, porém não se trata do método e sim de algo que está além, que é a escolha que o cliente faz de perceber as coisas em sua vida e no seu coração.

 

Nesta dinâmica, a constelação só poderia acontecer se dela também estivesse disposta a ceder.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Parar de cuidar da vida das pessoas da minha família e finalmente cuidar da minha

Publicado em 10 de janeiro de 2019 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois diz sentir-se com medo e dificuldade para conseguir se desvincular das responsabilidades que assumiu durante a sua vida toda. Diz que desde muito cedo cuida da mãe e de toda a família e que isso impede de viver a sua própria vida do jeito que sonhou.

 

Ele me conta que desde muito cedo se recorda de assumir responsabilidades grandes, como cuidar da mãe, das irmãs, e das pessoas da família que passam por dificuldades.

 

Peço para me contar um pouco sobre sua família, sendo que não conhece quase nada da história da mãe e do pai.

 

Após ouvir o relato, digo que iremos iniciar a constelação, para avaliar o que ela poderá nos mostrar ou para onde ela nos levará.

 

Peço para ele escolher um boneco que represente ele, um para representar o medo. Pela escolha dos bonecos já percebo que existe uma distorção na forma dele perceber o mundo e o seu lugar.

 

Depois peço para ele escolher mais um boneco para representar ele jovem, quando se recorda de ter assumido as responsabilidades, e ele coloca o boneco quase ao lado do boneco que representa o medo, me dizendo que o medo e ele estão olhando para o chão.

 

Incluo um boneco no lugar que eles olham e ele refere sentir um grande peso e angústia.

 

Iniciamos os movimentos com os bonecos.

 

O boneco que ele escolheu para representar ele, na verdade representava a sua mãe. Ele sempre se sentiu muito responsável por ela, de maneira a quase perder sua identidade para cuidar dela.

 

O boneco que representa o medo, era o seu pai.

 

O boneco que eu inclui, representava uma exclusão ou um segredo.

 

Colocamos ordem no sistema, de maneira que nesta família, ele possa ser apenas o filho, e os pais fiquem responsáveis pelo assunto dos adultos e as crianças pelos assuntos das crianças.

 

Que ele devolvia o segredo para os pais e que ele não faria mais as vezes de ser o guardião do que houve no passado entre os pais e também não irá seguir o destino desse segredo.

 

Depois, coloco um boneco para representar a vida, e ele diz que não consegue enxergar o boneco da vida.

 

Então, incluo um boneco que representa ele com a idade atual, que fica diante da criança que ele foi. Neste momento o cliente se emociona. Ele diz que sentia que faltava a criança interior dele…

 

Depois de integrar as forças, coloquei novamente a vida e ele disse que sentia uma grande vontade de ir em direção a ela, o que ele fez.

 

Ele agradece aos pais a vida e segue o seu destino, cuidando da vida que lhe foi dada através dos pais.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Dividida entre dois amores 

Publicado em 13 de dezembro de 2018 por MariEZ

 

Cliente me procura, pois está passando por um grande conflito afetivo.

 

Então lhe pergunto o que ela deseja constelar e a resposta é: O amor.

 

Peço para ela me explicar um pouco melhor do que se trata e mesmo assim continuo sem entender na realidade o que ela desejava, pois quando me traz a palavra amor, ela já estava querendo me dar a solução para o problema dela, algo que é arriscado e um tanto tentador no processo de constelações, pois se eu não ouvir exatamente o que o cliente deseja, eu corro um grande risco de errar.

 

Peço para cliente me contar um pouco de sua vida e de sua história familiar.

 

Ela conta ser casada e também ter um relacionamento extra conjugal.

 

Me conta também um pouco da história de seus pais e também do que sabe sobre seus avós.

 

Após ouvir a história, me dei por satisfeita, pois já tinha exatamente as informações que eu precisava para colocar a constelação dela.

 

Depois de ouvir ela, pergunto novamente sobre o que deseja constelar e chegamos a conclusão que era importante olhar para o casamento dela.

 

Peço para ela escolher bonecos para representar ela, o esposo, o amante. Depois o pai, a mãe e o antigo / atual companheiro da mãe.

 

Sem perceber ela coloca as duas história (a dela e a da mãe) de maneira exatamente igual, de maneira que o sistema revelava que ela estava repetindo a história de amor da mãe.

 

A Constelação também mostrou que ela desejava seguir em direção ao pai, mas a mãe não autorizava, desta maneira, ao mesmo tempo que ela queria o pai, não podia acessar o amor dele.

 

Buscamos restabelecer as ordens na hierarquia de maneira que ela pudesse acessar o pai e a mãe de maneira equilibrada. (Ordem do amor – Hierarquia – Pais primeiro, filhos depois / Pertencimento – Incluir o pai no sistema dela).

 

Além disso colocamos o marido e buscamos estabelecer o equilíbrio entre o dar e o receber (Ordem do amor – Equilíbrio).

 

Também fiz um movimento com o amante, de maneira a incluir ele no sistema, pois ele esta representando o amor da mãe que no passado não pôde ser vivido.

 

Por último, acabei sim incluindo o amor para ver como ela se sentia, e ao mesmo tempo que ela desejava seguir em direção, ela achava estranho amar assim, e eu acabei dizendo que nem sempre tudo é do jeito que a gente deseja e que existem tantas formas de amor, e sim, é possível uma pessoa amar mais de duas pessoas ao mesmo tempo.

 

A frase final: “Eu aceito o amor tal como ele é”

 

Encerramos a constelação.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Quero seguir minha vida, mas a culpa não deixa

Publicado em 6 de dezembro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois tomou algumas decisões em relação a sua vida, de maneira a seguir um novo destino, diferente do que vinha vivendo nos tempos passados.

 

Me conta que passou por um processo de separação e depois se relacionou afetivamente com outras pessoas, mas parece que nunca consegue seguir adiante nos relacionamentos, voltando sempre para o casamento.

 

Depois de ouvir a sua história familiar e a história de seus ancestrais, iniciamos a constelação familiar.

 

Peço para ele escolher um boneco para representar ele e um boneco para representar a culpa.

 

Somente com a colocação dos bonecos, pergunto a ele se havia alguma promessa feita para a filha mais nova de seu casamento e ele diz que negativo.

 

Iniciamos os movimentos e frases de maneira que ele possa estabelecer a ordem no sistema.

 

Como o boneco dele olhava para uma direção e a boneca pequena que ele escolheu para representar a culpa, olhava em outra direção, eu pedi para ele escolher um boneco que representasse a ex esposa dele.

 

E ele colocou ela exatamente ao lado dele, dizendo que desta maneira, sentia-se em paz.

 

Peço para ele observar o sistema e perceber se era ele ou a ex esposa que não conseguia sair da relação.

 

Ele diz ter um insight neste momento, dizendo que em tenra idade, quando ele e a esposa dele estavam em uma briga, a ex esposa pegou as filhas e foi embora de casa. Isso deixou ele abalado e o rendimento da filha na escola caiu consideravelmente, sendo que ele foi chamado na escola da filha para explicar o que estava acontecendo com ela. Quando perguntaram para a filha porque ela estava deixando de estudar, ela disse que com os pais separados, a vida dela não tinha sentido.

 

Então, ele se recordou da promessa que fez a filha, dizendo a ela que nunca mais iria se separar da ex esposa.

 

Voltamos ao sistema e dizemos a filha que o casamento acabou, mas os pais são sempre.

 

Ele diz que neste momento sente o peito mais leve.

 

Peço para ele reverenciar a ex esposa e agradecer a história juntos, ele se emociona e diz estar sentindo-se mais leve.

 

Após mais algumas frases e movimentos, como um boneco representando o oposto da culpa e ele diz sentir-se atraído e leve, mas que era algo que ainda causava um pouco de estranhamento.

 

Digo para ele que tudo que e novo causa estranhamento mesmo.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Uma questão sobre Constelação Familiar: Ela não é oráculo

Publicado em 21 de novembro de 2017 por MariEZ

 

Algumas pessoas procuram o atendimento em Constelação Familiar, pois estão em busca de ajuda ou necessidade de compreender um determinado aspecto de sua vida que pode estar atrapalhando alguma coisa.

 

Um dia desses, eu um atendimento, depois de explicar o método, e suas possibilidades de ação, a questão que a pessoa tinha intenção de constelar era saber como um determinado aspecto da sua vida iria ser no ano de 2018, assim como se teria sucesso ou não.

 

Mas essa não foi a primeira vez que isso aconteceu.

 

Outras pessoas procuram a Constelação para saber algo sobre o seu futuro, e deixo claro aqui que a Constelação não dá conta dessas informações e muito menos esse é o objetivo ou condição de existência dela.

 

Existem profissionais que trabalham com previsão e utilizam recursos para fazer esse tipo de trabalho, mas não a Constelação.

 

Ela está a serviço de questões que querem ser vistas ou até “resolvidas” pelo cliente que procura esse método.

 

A Constelação Familiar pode trazer uma nova consciência e entendimento, assim como “desfazer” nós em nosso sistema familiar, em relação a nossa vida e a de nossos ancestrais.

 

Ela diz respeito a vida que se apresenta hoje, e toda a força do sistema familiar que veio antes de nós e nos permite estar aqui hoje.

 

Mas ela não fala de futuro, não no futuro como previsão, mas sim como possibilidade a partir do momento que uma questão é Constelada e vista pelo cliente, e não porque a Constelação tem o poder de mudar o futuro de alguém, mas sim porque o cliente se apropriou do movimento, da nova informação que a Constelação trouxe e a partir disso ele toma uma nova consciência, conhecimento, entendimento e uma nova sabedoria se apresenta e se assim for permitido, ele avança para novas possibilidades e caminhos que estão a disposição.

 

Outro fator importante de ser ressaltado, aqui em São Paulo, O Conselho Regional de Psicologia permite que esse método seja utilizado por Psicólogos, pois entende tratar-se de um método. Caso fosse tratado ou considerado oráculo, jamais seria validado pelo Conselho, uma vez que não trabalhamos desta maneira.

 

Então, se o seu desejo é se apropriar, se responsabilizar e dar passos rumo a novas perspectivas e possibilidades em sua vida, porque você considera que algo pode ser feito para melhorar alguma questão, acredito que a Constelação pode estar a serviço desse desejo como real e tangível.

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Tenho um problema que não tem nada a ver com a minha família. Será que a Constelação Familiar pode ajudar? 

Publicado em 8 de novembro de 2018 por MariEZ

 

Algumas pessoas deixam de procurar o atendimento em constelação familiar, pois acreditam que apenas problemas relacionados a família é que podem ser constelados.

 

Muito pelo contrário, a constelação pode trazer uma nova consciência e entendimento sobre qualquer assunto, desde que ele esteja claro para o cliente.

 

Eu já escrevi um texto, sobre uma pessoa que me procurou no final do ano, pois queria previsões para o ano seguinte, através do método das constelações familiares, ai neste caso, eu infelizmente não consegui ajudar a  pessoa, porque a constelação não faz previsões.

 

Ela ajuda no melhor entendimento de circunstâncias, comportamentos, escolhas que fazemos.

 

Por isso, podemos constelar temas como:

  • Problemas de relacionamento no trabalho entre colegas ou chefia;
  • Dificuldade para conseguir um recolocação profissional;
  • Dificuldade para ter um amor;
  • Dificuldade para se desvincular de uma história do passado;
  • Doenças;
  • Dificuldade financeira;
  • Medo de dirigir;
  • Síndrome do Pânico ou qualquer outra condição;
  • Auto estima;
  • Medo de perdas;
  • Problemas com traições;
  • Situações de violência que repercutem na nossa auto estima ou vida;
  • Herança;
  • Tantas outras questões….

 

E você pode perceber, que os exemplos que eu dei acima, não dizem respeito diretamente a família, porém durante a constelação, pode ser que ela nos leve para alguma história familiar, por que todos estamos ligados a nossas origens, conscientes ou não disso, ou além, quer queiramos ou não.

 

De qualquer maneira, a constelações estão aqui para auxiliar em uma melhor entendimento de nós mesmos, para que possamos crescer, evoluir, nos apropriarmos de nossas histórias e vidas e seguirmos mais confiantes e plenos de nossas potencialidades e o que mais que possamos usufruir desta vida.

 

Venha conhecer!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Quero seguir uma nova profissão mas tenho medo

Publicado em 1 de novembro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois deseja começar a trabalhar em uma nova atividade profissional, mas nunca se sente pronta para começar.

 

Ela diz que exerceu uma atividade por aproximadamente dez anos e acabou encerrando para cuidar de sua família.

 

Desde então, buscou novos conhecimentos e está investindo pesado em novas cursos, sendo inclusive, que já está sendo chamada por algumas pessoas para oferecer estes conhecimentos em instituições ligadas a este tema.

 

Peço para cliente me contar a história de seus antepassados e de seus pais e após conhecer um pouquinho sobre este sistema, iniciamos a constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um boneco para representar a nova atividade profissional.

 

Ela coloca a profissão exatamente em frente a ela, parecendo inclusive, estar disponível e atraída por ela. Ela diz sentir-se oprimida e mal com a profissão em frente a ela.

 

Por conta da história que ela me contou, eu peço para ela escolher um boneco que representasse o pai e outro que representasse a mãe.

 

De maneira resumida e sem expor o caso: O pai abandonou os estudos muito jovem para poder trabalhar. A mãe estudou desde jovem e formou-se na universidade.

 

De alguma maneira, havia um vínculo dela com a história dos pais e dos avós, relacionada a estudar e nunca ser suficiente.

 

Ela devolve essa responsabilidade a seus antepassados, agradecendo por tudo o que eles viveram e passaram, mas que daqui para frente, ela cuidaria e faria a sua escolha.

 

Depois de algumas frases e movimentos, cliente diz sentir-se melhor e mais aliviada.

 

Coloco novamente o boneco representando a nova profissão e ela se emocionada, pois sentiu ser um encontro que já deveria ter acontecido.

 

Encerramos a Constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Quero fazer uma constelação, preciso levar minha família?

Publicado em 29 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Quando falamos de constelações familiares, logo pensamos que tudo tem a ver com a nossa família.

 

Outras vezes pode ficar até um pouco mais complicado: “imagine se eu tenho um problema, que eu não quero contar para ninguém da minha família, mas para resolver eu tenho que levar a minha família toda na constelação”.

 

Calma, seus problemas acabaram! Rs

 

Quando fazemos uma constelação familiar, o cliente nos conta o problema ou questão que deseja constelar e com base nisso, fazemos perguntas sobre dados que consideramos importantes para entender o sistema em que este cliente está inserido.

 

Como a grande parte das perguntas estão diretamente relacionadas as famílias, pode parecer que as constelações só possam acontecer com todos os membros da família, o que não é verdade.

 

Eu trabalho individualmente com os bonecos no consultório, o que não requer a presença de nenhum familiar, exceto no atendimento a adolescentes, que eu peço a autorização dos responsáveis.

 

E mesmo se o cliente não conhecer muito bem a história de sua família, não tem problema algum, o importante é apenas que ele tenha clareza que deseja obter uma nova consciência ou entendimento sobre o problema que trouxe para ser constelado.

 

Outra coisa que é super importante de lembrar: Quando eu escolho ser constelado, eu acabo beneficiando todo o meu sistema familiar, mesmo que de maneira indireta. Se eu me sinto bem depois da constelação, tenha certeza, que todos também poderão se beneficiar destes movimentos e deste novo entendimento.

 

CARTÃO DE VISITA

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Aceitar pai e mãe

Publicado em 22 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Às vezes, durante algumas constelações familiares, percebo que algumas pessoas demonstram entender o que estou falando sobre aceitar, tomar e reverenciar os pais tais como eles são, mas no final das contas, acabam não deixando a constelação seguir, pois tentam julgar ou contar seus argumentos para não aceitarem o que a constelação mostra.

 

Realmente, essa questão parece simples, mas não é.

 

Quando olhamos para o nosso passado, muitos de nós passamos por situações em que gostaríamos que nossos pais tivessem agido feito coisas diferentes.

 

Por exemplo:
– Meu pai poderia ter sido mais presente e amoroso;
– Minha mãe poderia ter deixado eu brincar mais com meus amiguinhos;
– Meus pais não deveriam ter obrigado eu a estudar em uma escola que eu sempre odiei;
– Meus pais deram mais amor e carinho para meu irmão;
– Meus pais brigavam comigo e me deixavam de castigo e eu achava isso injusto…

Quem não tiver uma reclamaçãozinha sequer que atire a primeira pedra.

 

Mas o fato é que ninguém ensina os pais a serem pais, essa oportunidade acontece com a vivência, empiricamente falando.

 

Erros e acertos são coisas cotidianas, é claro que existem pessoas que tem mais facilidade do que outras para esta “atividade”, mas no final das contas, só aprendemos fazendo, e tenho certeza que se eles pudessem, fariam melhor ou de maneiras menos complicadas.

 

Na verdade, se tivesse um manual de instruções para algumas coisas na vida, acho que muita coisa seria mais fácil…

 

Mas as vezes me pergunto, mesmo com manual, a gente deixa ele e vai experimentando na raça…

 

Voltando ao inicio do texto…

 

Muitos de nós, queríamos pais mais perfeitos e que fizessem exatamente o que julgamos ser o melhor para nós, sem considerar que os pais fazem ou fizeram o melhor do que eles sabiam dentro do que eles mesmos tiveram de experiências e vivências com seus próprios pais e familiares.

 

E uma coisa que acho importante deixar claro aqui: Nada no mundo mudará o fato de você ter sido fruto de uma história entre seu pai e sua mãe. Nada poderá mudar isso, então de convido a deixar sua vida mais fácil e leve: Aceite seus pais do jeito que eles são. Aceite seus pais em seu coração, aceite seus pais em sua vida, tome a força de vida que eles lhe deram e faça muito bom uso dela, pois a vida que é hoje, a vida que você tem, é metade por conta da sua mãe e metade por conta do seu pai: Você só pode ser inteiro por conta disso.

 

Outra coisa totalmente diferente é concordar com opiniões ou coisas que eles fazem. Eles são o que são e tudo bem, assim como você é o que é e tudo bem.

 

Aceite e tome sua vida, aceite e tome seus pais…

 

Assim, tudo fica mais leve, mais tranquilo e a vida pode ser de plenitude, amor e prosperidade.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Nunca me assumem em um relacionamento afetivo

Publicado em 18 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois deseja entender melhor suas vida afetiva. Refere que já se relacionou com algumas pessoas, mas que na verdade nunca foi assumida por nenhum dos namorados anteriores, e isso está deixando ela muito infeliz na sua vida.

 

Ela me conta sua história familiar e acaba dizendo em uma das frases que significaram a sua constelação “Eu acho que passo a vida inteira buscando o amor do meu pai”.

 

Digo que iremos experimentar a constelação familiar sob a perspectiva do amor e ela concorda.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um boneco para representar o amor / relacionamento.

 

Ela escolhe um boneco grande para representar o amor e um boneco pequeno (bebê) para representar ela.

 

Quando peço para ela acessar o campo para identificar os sentimentos dos bonecos, ela diz que o boneco do amor está indiferente e o boneco que representa ela está com vontade de morrer ou com medo, solidão e tristeza.

 

Percebo a necessidade de incluirmos um novo elemento na constelação, porém desconheço do que se trata e peço para ela escolher um boneco aleatório e colocar na mesa, no local que o coração dela pedir.

 

Quando ela inclui um novo boneco, ela diz que as forças mudaram.

 

Ela diz que com a entrada desse novo boneco as forças mudam e ela sente raiva do boneco que entrou.

 

Digo para ela que o boneco do amor representa o pai e o boneco novo representa a mãe.

 

Começamos com as frases de maneira que possamos tentar restabelecer a ordem no sistema, mas ela não está disponível para fazer esse movimento.

 

Eu acabo optando por fazer um outro movimento, incluindo um boneco que representa ela hoje e outro boneco para representar ela com seis anos de idade, quando o pai abandonou a família para ficar com a amante. Depois escolho uma boneco para representar ela com dezesseis anos, quando ela fugiu de casa.

 

De maneira resumida, peço para ela reverenciar e agradecer cada uma dessas vivências delas, pois ela é o que é graças ao que aconteceu no passado. Ela se emociona bastante.

 

Neste momento, ela integra cada uma dessas pessoas em seu coração e sente-se mais forte.

 

Depois peço para que ela olhe novamente para os pais, mas ela diz não conseguir, então opto por encerrar a constelação.

 

Obs 1: Muitas informações desta constelação foram suprimidas.

 

Obs 2. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Falência financeira

Publicado em 11 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura para fazer uma constelação familiar relacionada à profissão. Me conta que atualmente está falido financeiramente e que não sabe mais como fazer para se recompor e encontrar um lugar no mercado profissional ou como empreendedor.

 

Peço para o cliente me contar um pouco da sua história e ele me detalha as informações inclusive de seus antepassados, como avós e pais.

 

Um fato que me chama bastante a atenção em sua narrativa, foi o fato dele me dizer que a mãe havia largado a faculdade para que o esposo pudesse estudar, mas ele largou no meio do caminho. E ele também se queixava de ter deixado as oportunidades passarem para que sua esposa pudesse crescer na carreira.

 

Depois e entender um pouquinho mais de sua história, iniciamos a constelação familiar.

 

Peço para escolher um boneco para representar ele e um boneco para representar o dinheiro (Pois ele disse que era isso que ele sempre perdia).

 

Ele posiciona o boneco dele e o do dinheiro mais ou menos próximos. Depois de uma certa dificuldade do cliente para acessar as informações do campo, incluímos um boneco para representar o trabalho.

 

Nesta hora, o sistema revela que por amor, ele havia assumido o lugar da mãe, o sistema dele revela que ele acabou assumindo o lugar da mãe tentando protegê-la para que ela não sofresse mais nenhum tipo de frustração, já que ela teve que abandonar o sonho para que o pai pudesse seguir o destino dele.

 

Depois de algumas frases e reverencias, restabelecemos o equilíbrio do sistema.

 

Encerramos a constelação.

 

bs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Drogas / Overdose

Publicado em 4 de outubro de 2018 por MariEZ

 

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois considera que sua vida não tem mais sentido.

 

Demonstra um relacionamento complicado com a mãe, por conta de diferenças de pensamentos.

 

Me conta também que o pai faleceu em um acidente quando ela era muito pequena, mas que tem poucas lembranças dele.

Tomo conhecimento que ela vinha fazendo uso de substâncias e que recentemente passou por uma situação de overdose, colocando sua vida em risco.

 

Mais algumas informações foram passadas, mas não irei expor neste texto.

 

Digo que iremos experimentar o movimento da Constelação familiar e deixo muito claro que em nenhum momento a Constelação tem como propósito salvar ou curar ninguém. Ela poderá auxiliar na compreensão dos fatos assim como trazer uma nova consciência. Cliente concorda e prosseguimos.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um boneco para representar as drogas.

 

(Outros elementos também foram incluídos, mas irei focar no tema principal).

 

Cliente encontra grande dificuldade para olhar para as drogas, mas ao mesmo tempo sente-se atraída para seguir em direção.

 

Peço para ela repetir as frases, e ela sente grande emoção, evidenciando que na tentativa de utilizar drogas, estava querendo seguir o destino do pai e encontrar com ele.

 

Neste caso, por amor, usar drogas era uma forma preencher o vazio que o pai deixava em seu coração.

 

Fazemos os movimentos, frases em reverências e depois incluímos um boneco que representasse sua mãe e também buscamos restabelecer a ordem nesta relação de mãe e filha.

 

Depois de mais algumas frases, cliente demonstra estar mais corada e com um semblante diferente.

 

Encerro a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo. / Esta constelação não foi transcrita na integra, mas comunica as partes consideradas importantes para a elucidação.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Sentimento de solidão e estar perdida na vida

Publicado em 27 de setembro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura dizendo que está perdida e que sente uma solidão em sua vida.

 

Pergunto a ela se ela consegue se recordar a quanto tempo tem esse sentimento e ela diz que acredita ser aproximadamente de oito a dez anos.

 

Peço que ela me conte um pouco de sua história; e me diz que já viveu alguns relacionamentos amorosos anteriores e que em um deles, foi traída. Foi a única vez que ela se apaixonou de verdade e acabou vivendo a dor insuportável de ter sido passada para trás.

 

Ela me conta outros detalhes que não irei detalhar neste texto, assim como um pouco da história de seus pais e antepassados.

 

Também traz um fato importantíssimo: Já teve alguns abortos espontâneos no passado, por conta de uma condição do organismo dela. Ela me diz que nunca teve problema com essa história e achava que não tinha nada a ver com a constelação.

 

Digo que iremos experimentar algo para a constelação dela e ela concorda.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um boneco para representar a solidão.

 

Ela coloca o boneco dela de frente e o boneco da solidão um pouco atrás, porém ela está olhando para frente o boneco da solidão está olhando para ela. Como se estivesse seguindo ela.

 

Escolho um boneco para representar o aborto e ela se emociona bastante. Peço para ela reverenciar e colocar em seu coração. Percebo que apenas um boneco não era suficiente para representar os abortos, e escolho diversos e posiciono em frente ao boneco que representa ela. Ela se emociona e diz que um peso, que ela nem sabia que carregava nas costas, havia desaparecido e ela finalmente conseguia sentir-se muito mais leve.

 

Depois, coloco o boneco da solidão em frente a ela e digo a primeira frase, mas ela disse que não conseguia repetir. Formulo novas frases e digo para ela que o boneco que representa a solidão, na verdade é o ex namorado dela que havia traído ela. (Essa informação foi trazida pelo sistema, no momento que ela escolheu o boneco como representante).

 

Todos os relacionamentos que passam em nossas vidas, tem enorme influência sobre quem somos atualmente e também influenciam nossos relacionamentos atuais e futuros.

 

Agradecemos a história e devolvemos as responsabilidades a cada um deles. Agora ele pode seguir o destino dele e ela o dela.

 

Para encerrar a constelação familiar, eu coloco novamente um boneco para representar a solidão e peço para ela experimentar esse lugar; e ela diz que ela não sente nada. Sente-se aliviada e não tem mais o incomodo que estava no inicio do trabalho.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo. / Esta constelação não foi transcrita na integra, mas comunica as partes consideradas importantes para a elucidação.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Medo de viver

Publicado em 13 de setembro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura para realizar constelação familiar e as questões apresentadas são as seguintes:

  • Necessidade de se libertar da influência da mãe;
  • Culpa grande de sair de casa e deixar a mãe só;
  • Medo de viver;
  • Medo de envelhecer;
  • Saudade do pai.

 

Peço para cliente me contar um pouquinho de sua história familiar e história pessoal.

 

Ela me conta sua história com muitos detalhes e informações e fico pensando como poderia auxiliar, dada a complexidade de informações.

 

Pergunto novamente qual a questão que ela deseja constelar, dada a complexidade de informações apresentadas e ela resume: Problema da culpa de sair de casa e não deixar a mãe sozinha.

 

(Os detalhes desta história são: Mãe dela se envolveu com um rapaz casado no passado e engravidou dele. Ela é fruto dessa história de amor.  A esposa do pai descobriu e amaldiçoou o nascimento dela. Depois disso, a mãe se envolveu com um outro rapaz que assumiu a paternidade dela. Ela descobriu na adolescência que o homem que criou e amou ela, não era seu verdadeiro pai. Ela decidiu conhecer o pai no final da adolescência, porém foi um encontro sem envolvimento que deixou ela decepcionada / Aos três anos de idade ela perdeu uma irmã adolescente, mas não se recorda muito bem desta história).

 

(Uma informação importante é: enquanto ela contava a história dela, eu observei que um boneco estava com aspecto de choro (uma mancha no boneco que não existe nele), o que nós consteladores consideramos informações do campo e que devem ser levadas em consideração, porém eu não contei para a cliente esta informação).

 

Iniciamos a constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco que representasse ela. Ela escolhe exatamente o boneco que estava com aspecto de choro. Ela encontra uma certa dificuldade para encontrar um lugar para este boneco.

 

Peço para escolher um boneco que representasse o pai e ela posiciona longe, na quina da mesa.

 

Peço para ela escolher um boneco que representasse a mãe, e ela demora também um pouquinho para encontrar a posição, mas escolhe colocar bem em frente a boneca que representava ela.

 

Eu me levanto para olhar os bonecos e convido ela para olhar de longe o que podia ser observado. Ela concorda que a boneca que representava ela estava olhando para  mãe, mas de canto de olho a boneca dela também estava olhando em direção ao pai que estava distante e de costas.

 

Eu tenho a impressão que ainda faltava um elemento a ser colocado no sistema, e peço para ela escolher um boneco que representava a irmã que ela havia perdido com três anos de idade e era adolescente na época.

 

Ela coloca a boneca exatamente ao lado dela, de pé. E chora com forte emoção ao fazer isso.

 

Eu sabia que a posição não estava correta, mas deixei para que ela pudesse reverenciar e honrar esta irmã. O sistema acabou demonstrando que por amor, ela estava presa a história da irmã e que para proteger a mãe do sofrimento, acabou escolhendo seguir o destino da irmã, anulando-se.

 

Fizemos as reverências e depois que ela sentiu o peito leve, eu posicionei a irmã de maneira a representar um morto. Ela chorou como uma criança neste momento. Falamos mais algumas frases e ela deixou a irmã seguir o destino dela. E ela também poderia viver a vida dela, pois este era o destino dela.

 

Depois reverenciamos o pai e a esposa dele, pois ela faz parte da história da cliente. Deixando claro que essa história diz respeito aos pais e ela nada tem a ver com isso.

 

Reverenciamos a mãe dela e colocamos ordem no sistema, de maneira que ela seja a filha e a mãe seja a mãe.

 

Ela disse ter sentido grande alivio e leveza ao fazer este movimento.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 

Constelação Familiar - Eu nunca amei alguém na minha vida

Publicado em 6 de setembro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura com a seguinte questão: Disse que tem grande facilidade para conquistar e se relacionar afetivamente, porém nunca se apaixonou, ou seja, nunca amou alguém verdadeiramente. O problema a ser constelado seria sua dificuldade em amar.

 

Peço que ela me conte sua história familiar e também sua história afetiva.

 

Após compreender melhor o cenário apresentado, informo que iremos experimentar a Constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um outro boneco para representar o amor.

 

Ela rapidamente escolhe o boneco que iria representar ela, e na hora de escolher o amor, pensa em pegar um boneco pequeno, que representava um bebê, mas reluta e diz que não quer aquele boneco. Peço para ela pegar o boneco ao qual se sentiu atraída e posicionar na mesa.

 

Ela coloca eles distantes, cada um em um lado. Ela estava olhando para fora e o boneco do amor olhava para ela.  Sente dificuldade para enxergar ele ou querer se aproximar.

 

Inserimos mais dois bonecos no sistema, que representava o pai e a mãe dela. O pai fica na direção que ela estava olhando e a mãe eu posicionei atrás do pai, mas em uma distancia considerável.

 

Ela se emociona com as forças apresentadas pelo sistema.

 

Iniciamos as frases, de maneira que ela pudesse reverenciar o pai (já falecido). Permitindo que ele pudesse seguir o destino dele. Ela se emociona e aceita o proposto.

 

Ela também reverencia a mãe e aceita o fato da mãe ter vindo antes e ela ter vindo depois, ela é apenas a filha e deve deixar a mãe ser apenas a mãe.

 

Posiciono ela diante dos pais e peço que ela tome a força de vida que eles oferecem a ela, depois coloco os pais atrás dela e peço para ela seguir o destino dela.

 

Neste momento, peço para ela escolher um lugar para o amor, e ele se movimenta gentilmente em direção a ela, o que ela aceita e não tenta fugir.

 

Troco o boneco bebê por um boneco um pouco maior e ela diz que é seguro e confortável.

 

Digo que o amor cresce na medida que aceitamos e permitimos e que tudo tem um tempo de desenvolvimento e maturação dentro de nós. O amor tomará seu lugar na medida que ela permitir e se amar.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs 1: Algumas informações desta constelação foram suprimidas.

 

Obs 2: No dia seguinte, a cliente me informou que acordou com alguns sintomas físicos, que no âmbito metafisico representavam movimento e necessidade de sair da zona de conforto ou orgulho.

 

Obs 3: Cliente informou dois dias após a constelação ter sonhado e também sentido grande vontade de pedir desculpas a todos os rapazes com quem ela havia se relacionado anteriormente sem envolvimento afetivo.

 

Obs 4. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Relacionamento Marido e Mulher (Eu não sou sua mãe)

Publicado em 30 de agosto de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois está passando por problemas em seu casamento.

 

(Não irei detalhar algumas informações deste atendimento, para não expor a integridade desta pessoa, porém focarei no que importa para o movimento desta Constelação Familiar).

 

Problema trazido pela cliente:
– Tentativa de engravidar que não foram adiante e agora o casal está partindo para a adoção;
– Ela saiu recentemente de um processo de depressão;
– O marido acaba de iniciar um tratamento psiquiátrico e psicológico por alguns problemas particulares;
– Cliente cansou de ser forte e levar e tentar resolver os problemas do casal;
– Gostaria que o esposo colaborasse mais nas atividades dentro de casa.

 

Analisando tudo isso, pergunto novamente qual a questão que dever ser constelada, e ela refere ser o relacionamento marido e mulher.

 

Faço algumas perguntas sobre seu sistema familiar e não sinto que a questão dela tem relação com seus antepassados.

 

Faço questionamentos sobre sua vida afetiva pregressa e desta maneira, consigo obter detalhes que se tornam importantes para realizarmos a constelação.

 

Iniciamos a constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco que represente ela e que represente o esposo.

 

Rapidamente ela posiciona o boneco que representa ela, mas demora bastante tempo para encontrar um lugar para o esposo, experimentando algumas posições, mas não conseguindo se decidir.

 

Digo a ela que tudo bem e que deixe em um lugar por enquanto.

 

Peço para ela escolher um boneco que represente seu ex namorado, e ela posiciona ele a uma certa distância do casal, porém atrás deles.

 

Iniciamos os movimentos, e ela diz sentir uma tristeza que não consegue entender o motivo.

 

Peço para ela olhar para o ex namorado e agradecer a história que eles tiveram, porém ela diz que não era sincero e me contou o que realmente houve nessa história. Após compreender a emoção e a força desta ligação, falamos as frases e ela diz sentir-se aliviada e um pouco melhor. Depois desta liberação, movimento o ex namorado para fora do sistema.

 

(Muitas vezes, esquecemos que os relacionamentos antigos, quando terminam de maneira traumática e não são reverenciados, podem repercutir negativamente nos  relacionamentos futuros. Por isso eles devem ser honrados, pois fazem parte da nossa história de vida).

 

Posiciono ela em frente ao esposo e ela se emociona. Iniciamos as frases, deixando claro que trata-se de uma relação de casal e que toda relação deve haver o equilíbrio entre o dar e o receber. Que ela é esposa e não mais ocupará o papel de mãe dele. Ela se emociona, pois é exatamente isso que ela deseja, agora depende dela manter o acordo.

 

Depois, após mais alguns movimentos e frases, eu posiciono um boneco representando um futuro filho, e ela se emociona muito.

 

A intenção era apenas mostrar para ela a emoção de incluir um filho ao sistema, e não prometer nada relacionado a isso acontecer ou não, pois a constelação não trabalha com isso.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Nunca sou escolhido para promoção na empresa

Publicado em 23 de agosto de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura para fazer uma constelação familiar relacionada a sua vida profissional.

 

Peço que ela me conte qual o problema em questão, e de uma maneira bem resumida, me diz que em todas as empresas que trabalhou, sempre houveram oportunidades que indicavam que ela seria a próxima pessoa a ocupar um novo cargo, com melhor remuneração e responsabilidades, mas todas as vezes, uma outra pessoa era escolhida.

 

Ela queria entender porque isso poderia estar acontecendo.

 

Fiz alguns questionamentos sobre sua vida pessoal e ela me descreveu seu sistema familiar.

 

Contou que pai era uma pessoa que teve oportunidades interessantes de trabalho, mas sempre recusava. A mãe também sempre conseguia empregos com facilidade, porém cargos que não exigiam grandes conhecimentos, e logo pedia para sair. Além disso, o esposo não era a favor dela sair para trabalhar.

 

Disse que por conta desta postura dos pais, ela e os irmãos passaram certa dificuldade financeira e a cliente em questão acabou assumindo desde cedo o papel de provedora financeira da casa, papel que ocupa até os dias atuais.

 

Depois de entender um pouquinho seu sistema familiar, digo que iremos experimentar a constelação da seguinte maneira.

 

Peço para ela escolher um boneco que represente ela, um boneco para representar o cargo atual e um outro boneco para representar o cargo que ela desejava ocupar, mas nunca alcançava.

 

Ela posiciona os bonecos e percebe-se que nenhum deles se olham. Porém pela posição em que estavam, davam a falsa impressão de estarem conectados.

 

Peço para ela colocar a mão sobre os bonecos e dizer como eles se sentiam, e ela atribui um sentimento de vazio ao boneco do cargo atual e de dificuldade de alcançar ao cargo futuro. Disse também que estava com dificuldade para enxergar os bonecos do sistema.

 

Incluo um novo elemento no sistema, que representa o dinheiro, e ela coloca ele ao lado dela, mas de costas. E diz que com a entrada desse boneco a responsabilidade e o peso aumentavam consideravelmente. Agora, mais do que nunca, ela se sentia presa / imóvel.

 

Iniciamos as frases, porém ela refere sentir dificuldade para repetir as frases.

 

Sinto ser necessário colocar bonecos atrás do boneco que representa o cargo atual. Coloco quatro bonecos do sexo masculino.

 

A esta altura da constelação, já havia identificado que o cargo atual representava o pai e o futuro representava a mãe.

 

Peço para ela ir de encontro a cada um dos elementos para avaliar como eles se sentem e ela diz estar vinculada a um dos elementos. Ela se dirige a cada um deles e reverencia a suas histórias.

 

Percebe que de alguma maneira, o sistema familiar carregava esta responsabilidade de fazer coisas e conquistar ou perder dramaticamente. Desta maneira, o que fizemos, foi reverenciar cada uma dessas histórias e agradecer por eles terem vindo antes e feito o que foi feito.

 

Cliente se emociona ao fazer estes movimentos e diz que consegue enxergar cada um destes membros, sentindo-se acolhida e integrando a força deles a ela.

 

Voltamos para a mãe e reverenciamos a sua história. Em um dado momento ela se diz sentir maior que a mãe. Voltamos a colocar ordem neste sistema, uma vez que os pais vieram antes e os filhos depois. Isso quer dizer que os pais são sempre os grandes e os filhos sempre os pequenos.

 

Isso deixa a cliente com um sentimento de pertencimento e leveza.

 

Colocamos ordem no sistema e por último, peço para ela encontrar o lugar do dinheiro no sistema. Ela coloca perto dos pais, mas fica se sentindo mal.

 

Ela diz sentir melhor quando o dinheiro está ao lado dela.

 

Fazemos as reverências e frases de maneira que ela compreenda que a relação com o dinheiro é uma relação de igualdade e equilíbrio. A partir deste instante, ela se sente forte.

 

Para encerrar a constelação, eu coloco a oportunidade que nunca é alcançada nos empregos, e desta vez, ela consegue enxergar e diz ser possível, sem sentir medo, receio ou não merecimento.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Relacionamento Nora X Sogra

Publicado em 16 de agosto de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de Constelações Familiares realizadas em meu Consultório e tem por objetivo explicar um pouquinho como este trabalho é realizado.

 

Cliente me procura para realizar Constelação Familiar para tentar mudar o comportamento da sogra.

 

Tento entender melhor a história e após ouvir o lado da “nora”, explico para ela que a Constelação Familiar não tem este objetivo, em hipótese alguma.

 

A Constelação visa trazer um novo entendimento, uma nova consciência, mas de forma alguma pode interferir no livre arbítrio ou no comportamento de ninguém.

 

Depois desta explicação, informei que poderíamos colocar o sistema familiar, para buscar um novo entendimento, a partir do que o sistema nos mostrasse, desta maneira, a cliente aceitou as condições.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela, um boneco para representar a sogra, e mais um boneco para representar o esposo dela.

Nesta Constelação, eu optei por incluir uma ilustração, para evidenciar o que aconteceu: (Lembrando que essa não é a imagem exata da constelação que ocorreu no consultório).

CF - Relacionamento nora e sogra

Boneco azul escuro – Sogra
Boneco azul claro – Esposo
Boneco azul claro – Esposa

 

A sogra olha para fora do sistema familiar.

 

A nora se coloca a frente do esposo e fica olhando em direção a sogra. Ela se coloca entre o esposo e a mãe dele.

 

O filho fica olhando para a esposa e também para a mãe dele.

 

Neste momento, pergunto a cliente o que ela consegue perceber da imagem que ela mesma construiu do sistema familiar dela. Ela diz que percebe a sogra olhando para fora.

 

Peço que ela considera o que está sentindo e colocando em relação a sogra dela, pois o sistema revela que, muito provavelmente, as perseguições e situações desagradáveis podem estar acontecendo por ação dela mesma. Pois pelo que indica, a sogra não está nem se importando com a situação.

 

Acabo colocando ela de frente para a sogra e dizemos algumas frases, para que a cliente entenda que ela é esposa, e reverencie a sogra por ter dado a vida ao esposo dela.

 

A intenção é apenas colocar ordem e não continuar criando situações de conflito e atrito.

 

Percebo que a cliente sai triste do processo de Constelação, pois ela desejava alterar padrões de comportamentos, o que não é oferecido ou possível de ser alcançado em Constelação Familiar.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Homosexualidade X auto estima

Publicado em 9 de agosto de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura para buscar uma compreensão, através das constelações familiares sobre sua vida, no que diz respeito a homossexualidade, relacionamento com o pai e carreira.

 

Diz  estar encontrando dificuldade para se “achar” na própria vida, e não sabe muito bem o que fazer para buscar novas possibilidades de compreensão.

 

Peço para ele me contar um pouquinho sobre a sua história pessoal e familiar.

 

Faço algumas perguntas e chegamos a conclusão que iremos constelar ele e a homossexualidade.

 

Iniciamos a constelação.

 

Peço para ele escolher um boneco para representar ele. Ele escolhe um boneco de tamanho pequeno.

 

Peço para escolher um boneco que represente a homossexualidade. Ele escolhe um boneco de tamanho maior e posiciona exatamente atrás, praticamente grudado no boneco pequeno.

 

Peço para ele experimentar a sensação colocando a mão sob cada boneco e ele diz que o menor se sente ameaçado e intimidado e o grande demonstra violência e soberania.

 

Os dois bonecos, mesmo que grudados estão olhando para frente, em outra direção, então faço a inclusão de uma boneca na frente deles. Quando essa boneca entra, o boneco menor, que representa o cliente sente-se um pouco melhor, mas ainda assim existe desconforto. Pela perspectiva do cliente, ele acreditava que a boneca estivesse olhando para ele, mas mostrei melhor e ele percebeu que a boneca olhava para fora do sistema.

 

Iniciamos os movimentos, de maneira que o boneco pequeno possa falar as frases para o boneco grande.

 

Ao iniciar o movimento, ele sente-se melhor, mas conectado a boneca.

 

Com mais algumas frases e movimentos, ele percebe estar ligado a boneca e sentir um misto de afeto e receio.

 

Posiciono os bonecos diante dele, lado a lado para que possamos falar as frases e dar um novo lugar e sentido ao sistema.

 

Rapidamente ele percebe que o boneco escolhido para representar o homossexualismo estava diretamente ligado ao pai e a boneca representava a sua mãe.

 

Trazemos um novo sentido ao lugar dele de filho dentro desse sistema e o quanto ele, sem querer, acabou entrando na relação dos pais como uma maneira de proteger a mãe da hostilidade do pai, porém não se deu conta, que a mãe sabia se defender.

 

Por amor, ele se incluiu em um lugar que não dizia respeito a ele e não saiu mais, isso poderia estar ocasionando o fato dele sentir-se “perdido” em relação a sua própria vida.

 

Ele se emociona ao reverenciar o pai e fica um pouco chateado por não ter sentido a mesma emoção ao reverenciar a mãe.

 

Digo para ele não focar no que ele gostaria que fosse e sim aos fatos, e no final das contas, colocar a mãe nesta constelação foi apenas um experimento, e que a finalidade era a homossexualidade ter um lugar certo na vida e no coração dele.

 

Ele se emociona e refere sentir-se melhor ao final da constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar mexe com espíritos?

Publicado em 6 de agosto de 2018 por MariEZ

 

Muitas pessoas tem interesse em conhecer as constelações familiares, mas ficam receosas sobre este processo, pois acreditam que elas vão lidar com fenômenos sobrenaturais, entidades ou espíritos.

 

A Constelação e um método desenvolvido pelo Mestre Bert Hellinger que tem por objetivo trazer uma nova compreensão sobre situações que ocorrem em nossas vidas e que de alguma maneira não conseguimos resolver ou lidar com elas.

 

De maneira alguma, existe um trabalho sobrenatural ou com entidades / espíritos, por isso ela pode ser realizada com qualquer pessoa que tenha interesse em “destravar” ou “compreender” alguma coisa em sua própria vida.

 

Nós trabalhamos com energia quântica e campos morfogenéticos, que requer uma compreensão sobre campo e forças.

 

Durante o processo sentimos energias ou forças, mas como costumo dizer durante as constelações, são sensações nossas, que o nosso corpo trará como informação para agregar durante o processo de atendimento da constelação.

 

Se em algum momento você for a alguma constelação e alguém lhe disser que existe algum espírito ou algo do tipo ao seu lado, agradeça e se retire.

 

Lembrando que em nenhum momento eu estou fazendo qualquer crítica a religiões ou pessoas que dizem trabalhar com espíritos ou forças sobrenaturais, o que quero deixar claro, é que a Constelação Familiar não faz isso, não é o foco e o campo de atuação desse trabalho.

 

Ele vai acessar a força da nossa família, dos nossos ancestrais (pais, tios, avós, bisavós e assim por diante) e a partir desta compreensão, utilizaremos as ordens do amor para compreender o que pode estar “emaranhado” no sistema familiar e buscar restabelecer o equilíbrio.

 

Quando eu busco o melhor para mim, pela compreensão da constelação familiar, a minha família também será beneficiada deste processo, de maneira indireta.

 

Querendo ou não, mesmo sem conhecer meus bisavós, por exemplo, eu estou ligada a história e a vida deles.

 

Mas Marilice, eles já morreram! – Como você pode dizer algo desse tipo?

 

Para que eu viva, meus bisavós deram a vida aos meus pais, e sim, eu carrego a força dessas pessoas no meu DNA, na minha memória inconsciente, na força do meu sobrenome e assim por diante…. Por isso é possível dizer que estou ligada a todos os que vieram antes de mim.

 

Eles não precisam mais estar vivos, mas estarão para sempre fazendo parte da minha história e da minha vida.

 

Por isso, não tenha receio de fazer uma constelação, por achar que ela lida com espíritos. Como disse anteriormente, ela não trabalha com nada disso.

 

O que eu digo para meus clientes e pacientes, essa questões espirituais, você deve trabalhar na igreja, no templo, no centro, no terreiro ou seja lá o lugar que você frequenta.

 

A Constelação Familiar pode sim nos beneficiar e nos ajudar na melhor compreensão de nossas vidas, nossas escolhas, e em tudo o que estejamos prontos para crescer e aprimorar em nossas vidas.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Sentimento de Culpa por ter feito abortos 

Publicado em 2 de agosto de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois sente grande culpa por ter feito alguns abortos no passado e acredita que está sendo punida por isso atualmente, já que está tentando engravidar e não consegue.

 

Explico para ela que a constelação não trabalha com a idéia de culpa.

 

Busco compreender a história dela, de maneira que ela me conte os detalhes do que houve no passado.

 

De maneira bem resumida, ela disse que se apaixonou por um rapaz na adolescência e engravidou dele, mas não podia levar essa gestação adiante, desta maneira, fez o primeiro aborto.

 

Algum tempo depois, com a vida refeita, acabou engravidando e teve o primeiro filho.

 

Depois, quando estava em processo de separação, acabou se envolvendo com um homem casado, e sabia que não poderia levar uma gravidez adiante, acabou optando por um novo aborto.

 

E no momento presente, está vivendo com um novo companheiro e gostaria de ter uma família ao lado dele, porém acabou engravidando e perdendo o bebê espontaneamente.

 

Neste caso, acabou optando por experimentar algo diferente de todas as constelações que eu já havia feito até o presente momento.

 

Posiciono a cliente em um lugar da sala e escolho uma outra pessoa para representar a maternidade que fica do outro lado diante dela. (Eu não conto para nenhuma das pessoas o que o segundo elemento significava).

 

O cliente não consegue olhar muito bem para a maternidade, e a maternidade olha ternamente para a cliente.

 

Escolho um primeiro elemento para representar o primeiro filho. A cliente olha com carinho e respeito. Falamos algumas frases para incluir este filho no sistema e no coração dela. Peço que ela dê um nome a esse filho que ela rapidamente responde. (A maternidade não consegue olhar para este elemento).

 

Escolho um segundo elemento para representar o filho que nasceu. A cliente se emociona, abraça e reverencia esse filho. (A maternidade consegue enxergar este filho e se emociona).

 

Escolho um terceiro elemento para representar o segundo aborto feito pela cliente. Falamos frases de reverência e escolhemos um nome para esse filho. Ela se emociona com esse movimento. (A maternidade não consegue olhar para este elemento).

 

Escolho um quarto elemento para representar o filho que ela perdeu espontaneamente recentemente. Ela se abaixo a abraça esse elemento, chorando copiosamente. Dizemos algumas frases de maneira que ela possa incluir esse bebê em seu coração. Neste movimento, cliente demonstra grande dificuldade para deixar que este filho siga o seu destino. Chora com grande emoção e me parece sentir culpa. Deixo novamente claro que não trabalhamos com este sentimento e busco restabelecer a ordem neste sistema. Peço para ela reverenciar essa história e dar um nome para este filho. (A maternidade não consegue olhar para este elemento).

 

Peço para a cliente olhar para todos os elementos da constelação, reverenciando um a um e incluindo cada um deles em sua história e em seu coração.

 

Peço para a maternidade olhar para os filhos, mas ela só consegue enxergar o filho que nasceu.

 

Movimento a maternidade para perto da cliente e peço que ela siga o movimento do corpo dela, então a maternidade abraça ternamente a cliente que chora bastante e se emociona com a força que lhe é oferecida.

 

Revelo no final da constelação que se tratava da maternidade.

 

Deixo absolutamente claro  para a cliente que em nenhum momento esta constelação garantirá que ela poderá ter ou não mais filhos, e que o objetivo único dela era incluir todos em seu coração e em sua história.

 

Ela me pergunta se poderá dar o nome do próximo filho, um dos nomes que ela deu para os filhos que não nasceram. Eu digo que não.

 

Cada filho tem que ter um nome diferente, e um nome de um filho que não nasceu para um filho que nascerá poderá trazer problemas sérios para o destino deste que virá para a vida.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Cansei de ficar devendo dinheiro para o banco

Publicado em 30 de julho de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois disse que não aguenta mais ficar negativo todos os meses no banco.

 

Trata-se de uma profissional que trabalha em seu próprio negócio, e que já possui uma carteira de clientes consistente, que lhe oferece uma remuneração boa mensalmente.

 

A questão dela é: Ela consegue gerar renda mensalmente, um valor considerável, mas na mesma proporção fica devendo o valor para o banco e isso se tornou uma bola de neve.

 

Faço alguns questionamentos para a cliente sobre suas relações familiares e histórico.

 

Após conhecer um pouquinho melhor sua história, iniciamos a constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e coloco uma nota de cem reais diante dela.

 

Ela me diz que se sente intimidada, paralisada e com uma pequena vontade de recuar.

 

Ela comenta, que tem facilidade para receber, mas nunca tinha se dado conta que ficar com o dinheiro era angustiante.

 

Iniciamos as frases, e o sistema mostra que ela está ligada a força materna, que ao mesmo tempo ela aceita, mas tem um certo receio, como se não merecesse ser amada ou vista pela mãe.

 

Busco restabelecer os lugares nos sistema, de maneira que ela possa reverenciar, aceitar e fazer bom uso do dinheiro.

 

O dinheiro tem importância, ela tem importância. O dinheiro tem poder, ela tem poder…

 

O dinheiro tem valor e ela também…

 

Cliente se emociona e sente-se atraída para seguir em direção ao dinheiro.

 

Ela aceita, toma e reverencia em seu coração.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo. / Esta constelação não foi transcrita na integra, mas comunica as partes consideradas importantes para a elucidação.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Incesto

Publicado em 26 de julho de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente procura a Constelação familiar para tentar entender a necessidade que ela tem de cuidar de todos os membros de sua família.

 

Eu confesso que demorei um pouquinho para entender o que ela queria com esse processo.

 

Fiz alguns questionamentos em relação a sua história familiar e ela conta que os pais eram casados e tinham um bom padrão financeiro, porém em um determinado momento o pai se envolveu com drogas e pessoas erradas e os negócios da família começaram a falir.

 

Cliente conta que os irmãos nasceram no momento em que a família começou a passar por dificuldades financeiras.

 

Depois de um certo tempo os pais se separaram e há alguns anos ela perdeu totalmente o contato com o pai.

 

Eu fico em dúvida sobre os elementos que devo colocar nesta constelação, mas arrisco incluir apenas ela e o pai.

 

Incluímos os elementos, sendo um boneco para representar ela e um boneco para representar o pai.

 

Ela mal consegue olhar para o pai. E o pai fica imóvel em frente a ela como se estivesse tudo bem, porém fico com a sensação de entorpecimento e estranhamento.

 

Depois de algumas tentativas de frases, ela demonstra estar apreensiva e com medo. O sistema revela uma força de agressividade e abuso. Pergunto a ela se o pai havia feito algo a ela e ela explode em grande emoção, chorando copiosamente. Ela disse que carregava esse segredo em seu coração até hoje, e que não sabia o que havia feito para que isso tivesse acontecido.

 

Neste momento, o pai olha para ela, dando a impressão que deseja se aproximar dela. Temos a impressão que ele se emociona e queria se aproximar para cuidar dela.

 

Iniciamos as frases de maneira a restabelecer a ordem no sistema, buscando compreender o que houve no passado e como era pesado para essa pessoa continuar guardando esse segredo em seu coração.

 

Também busco restabelecer a hierarquia deste sistema, devolvendo a ela o lugar apenas de filha e ao pai o lugar dele. Quando fazemos isso, a filha sente alivio e o pai segue o seu destino, movimentando-se no sistema.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Posso constelar outros assuntos que não tem nada a ver com a minha família? 

Publicado em 23 de julho de 2018 por MariEZ

 

Você sabia que a Constelação Familiar pode te ajudar a compreender diversos problemas ou questões que podem estar “atravancadas” na sua vida?

 

Por exemplo:

– Vida financeira, sendo que eu só fico devendo no banco e não entendo porque nunca consigo ter dinheiro;
– Não consigo namorar pessoas que estejam disponíveis, ou seja, só namoro gente casada;
– Não consigo ficar em emprego nenhum;
– Eu só namoro pessoas que me traem;
– Eu acabo cuidando de todos os meus namorados;
– Tenho um problema de saúde e gostaria de entender porque esse problema existe;
– Tenho medo de falar em público;
– Não consigo me relacionar de maneira saudável com outras pessoas;
– Tenho medo de autoridade;
– Tenho síndrome do pânico;
– Meu ex marido é uma pessoa horrível e tenho ódio dele, gostaria de não sentir mais nada no meu coração;
– Tenho compulsão por jogos ou gastar dinheiro e não sei mais como lidar com essa situação;
– Tenho medo de dirigir;
– Não consigo emagrecer e queria compreender se estou ligada a alguma história da minha família;
– Quero muito mudar de emprego, mas não tenho coragem, como faço para lidar com isso?
– O que mais sua imaginação quiser…

 

Lembrando que a constelação ajuda na compreensão e no entendimento do que está acontecendo na sua vida.

 

Em hipótese alguma nós dizemos que ela trará cura, resolução ou libertação.

 

Quando conseguimos entender porque estamos naquele padrão, nossa consciência expande e a partir disso, podemos seguir novos caminhos, buscar novas compreensões e saímos da condição de “não saber” para o “fazer”.

 

Deixando claro que tudo é uma questão de escolha.

 

Você pode escolher mudar ou manter o padrão, mas a sua decisão é apenas sua.

 

A Constelação Familiar mostra possibilidades; os caminhos, você que dá a direção.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Relacionamento Pai e Filha

Publicado em 19 de julho de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura para contar que tem grande dificuldade para se relacionar com a mãe que considera mandona e intransigente.

 

Ela me conta a história do relacionamento dos seus pais quando ela era criança e que o pai teve um caso extraconjugal quando ela ainda era criança.

 

Conta que o pai foi embora de casa quando ela ainda era adolescente e que ela nunca havia entendido o motivo, atribuindo a mãe a culpa pelo que aconteceu.

 

Ela também conta que a mãe não queria ter filhos e que a concepção dela foi um erro.

 

Iniciamos a constelação, pedindo para ela escolher bonecos que representassem ela, a mãe e o pai.

 

A boneca que representa ela, não consegue olhar em direção a mãe, querendo olhar apenas para o pai.

 

O pai olha para baixo e sente-se estranhado pela situação.

 

A mãe fica olhando para a filha desejando que ela faça contato com ela.

 

Iniciamos as frases, mas a filha não deseja olhar para a mãe em hipótese alguma.

 

Peço para a mãe falar algumas frases e neste momento a filha consegue olhar para a mãe. Inclusive que ela não planejava ter filhos no momento que acontece a concepção dela, mas que ela ficou muito feliz com o nascimento da filha.

 

Acabo incluindo um representante para a amante, onde a filha se sente incomodada, mas o pai e a mãe não se afetam com esta entrada.

 

Peço para a filha reverenciar a amante, que sente-se bem e segue seu destino.

 

Novas frases são inseridas de maneira a restabelecer a ordem, fazendo com que a filha entenda o que ocorreu entre os pais e de maneira a restabelecer o lugar dela no sistema.

 

Durante a constelação familiar, a cliente se dá conta que os adjetivos que ela empregava de maneira pejorativa contra a mãe, também estavam relacionados ao pai. Então ela compreendeu que tudo diz respeito ao lugar que ela estava ocupando no sistema, que estava errado.

 

No final da constelação ela aceita olhar e seguir em direção a mãe, tomando essa força e podendo seguir adiante com sua história.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo. / Esta constelação não foi transcrita na integra, mas comunica as partes consideradas importantes para a elucidação.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Falência X Sucesso na empresa

Publicado em 12 de julho de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura para tentar lidar com a situação de falência de seus empreendimento.

 

Refere já ter feito algumas manobras para tentar solucionar o problema, mas tudo parece dar certo, e no final acaba perdendo tudo.

 

Peço para cliente me contar a história deste negócio e ela informa os detalhes necessários.

 

Me conta que já teve outros empreendimentos no passado e que todos também tiveram um final dramático em que ela passou por dificuldades financeiras e necessidades.

 

Fala um pouco da história de seus pais e familiares e do recente reencontro com o pai, com quem ela ficou sem falar por anos.

 

Depois de entender um pouco melhor a situação, iniciamos a constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco que represente ela e um boneco que represente o negócio atual dela.

 

O negócio se sente muito fraco, mas fica olhando para ela, quase com uma sensação de abandono ou desespero. Ela fica olhando para o negócio, porém com dificuldade para enxergar ele

 

Peço para ela escolher um boneco para representar o antigo sócio, e também peço para ela incluir bonecos que represente os dois negócios que ela teve anteriormente.

 

Iniciamos as frases, em que ela agradece ao ex sócio pela parceria e tudo o que foi vivido entre eles quando era parceiros.

 

Ela também agradece cada um dos negócios anteriores, de maneira, a incluir eles na história dela, dando um lugar na sua vida e em seu coração. Não significa que por não terem sido empreendimentos rentáveis, que eles não devem fazer parte da vida dela. Eles devem sim ter um lugar na sua vida.

 

Quando ela faz este movimento, o negócio atual fica forte e pode seguir o destino dele.

 

Para encerrar a constelação, resinificamos a história deste empreendimento, deixando com ele a responsabilidade de negócio e com ela a responsabilidade de empreendedora.

 

Encerramos a Constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Relacionamento mãe e filha (Traição)

Publicado em 5 de julho de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura com a seguinte queixa: Depois que o pai faleceu o relacionamento dela com a mãe piorou consideravelmente.

 

Ela conta a história do relacionamento de seu pai e de sua mãe, e que haviam histórias de infidelidade por parte do pai.

 

Disse que durante a infância teve contato com uma moça que se relacionava com o pai dela e posteriormente descobriu que o pai teve um filho com esta pessoa. Sentia culpa, pois ela gostava dessa pessoa que tinha relacionamento com a sua família.

 

Após ouvir um pouco dessa história, faço questionamentos sobre a história de seus pais e avós e as informações agregaram considerável valor ao processo de análise do que iriamos fazer posteriormente, durante a constelação familiar.

 

Iniciamos a experiência da Constelação familiar, uma vez que eu iria testar as hipóteses do que eu acreditava poder conter informações na condução deste processo.

 

Peço para a cliente escolher um boneco que represente ela, um boneco para representar o pai e um boneco para representar a mãe.

 

Peço que ela experimente os lugares dos bonecos e ela diz que ao colocar a mão sobre o boneco que representa ela, ele se sentia vazio e triste. O boneco que representava o pai estava fraco também e o boneco que representava a mãe sentia um pouco de raiva.

 

Eu escolho um boneco de figura feminina e incluo no sistema e peço para ela experimentar a sensação deste novo elemento e ela diz que a boneca que representava ela sentia grande raiva e abandono. A figura do pai sentia bem com a entrada desse novo elemento e a figura da mãe sentia solidão.

 

Iniciamos as frases e ela se dá conta que a nova boneca representa o caso extraconjugal do pai. E que ela deveria ser incluída neste sistema, pois fez parte da história da vida do pai e consequentemente tem repercussão na vida dela.

 

Coloco ordem neste sistema de maneira que ela esteja no lugar apenas dela, de filha e que o problema conjugal entre o pai, a mãe e a amante do pai são de responsabilidade apenas deles, e que ela nada tem a ver com isso.

 

Ela compreende que por amor tentou proteger a mãe desta situação, mas que como filha, não poderia se meter em uma relação e história que nada dizia respeito a ela.

 

Ela refere sentir o peito mais aliviado e leve.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

A Constelação Familiar pode acessar outras encarnações?

Publicado em 11 de junho de 2018 por MariEZ

 

Outro dia tive a oportunidade de conversar com uma pessoa que me contou que havia feito uma constelação familiar para tentar resolver um determinado assunto de sua vida.

 

Me contou como a constelação tinha sido realizada e o quanto tinha se beneficiado do que havia acontecido durante o trabalho.

 

Depois me contou que entendeu que as coisas que acontecem na sua vida hoje, estão intimamente ligadas com suas outras vidas passadas…

 

Opssssssss….

 

Disse: Outras vidas?

 

Eu pedi para a pessoa me explicar novamente o que tinha acontecido, porque eu precisava entender do que se tratava o processo.

 

Expliquei para essa pessoa que a Constelação Familiar não acessa e trabalha com outras vidas, sendo impossível para este método acessar o que aconteceu em outras encarnações ou vidas.

 

O que a Constelação Familiar nos oferece é uma possibilidade de olharmos para todo o nosso sistema familiar e compreender se estamos ligados a alguém ou a alguma história de alguém que esteve aqui, antes de nós.

 

Eu costumo dizer, que a constelação olha para a família, todos os que estiveram aqui antes de mim.

 

E que de uma maneira eu estou conectada a todas essas pessoas através das forças do sangue, as forças dos sobrenome, as forças do que essas pessoas viveram antes e se torna história em que eu faço parte.

 

A Constelação não contempla reencarnação ou outras vidas.

 

Ela olha o aqui agora, e quando possível, o sistema nos leva até um ente querido, que pode ser a chave do entendimento para determinadas questões, mas tudo, relacionado a ancestralidade, os que estiveram ou estão aqui.

 

Através da memória do sistema familiar e não através de forças que são trabalhadas muitas vezes em algumas religiões.

 

Até cabe esse esclarecimento, uma vez que a constelação pode ser feita por qualquer pessoa, independente de fé, crença ou dogma religioso.

 

Ela está ligada as forças do amor, as forças que unem todos os membros de uma família, estando eles vivos ou não. Tendo eles nascido ou não (abortos). Tendo você conhecido eles ou não.

 

Desta maneira, a constelação que essa pessoa me contou foi realizada com excelência, mas o entendimento do que aconteceu durante o processo ficou de dificil compreensão e entendimento.

 

Então eu sugiro: Quando você fizer uma constelação familiar, tente tirar suas dúvidas depois do processo, não saia com dúvidas, pois o entendimento leva a uma melhor compreensão de nós mesmos e dos que estão ligados a nós pelas forças do amor.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

Constelação Familiar - Relacionamento Mãe e filha (Traição)

Publicado em 5 de julho de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura com a seguinte queixa: Depois que o pai faleceu o relacionamento dela com a mãe piorou consideravelmente.

 

Ela conta a história do relacionamento de seu pai e de sua mãe, e que haviam histórias de infidelidade por parte do pai.

 

Disse que durante a infância teve contato com uma moça que se relacionava com o pai dela e posteriormente descobriu que o pai teve um filho com esta pessoa. Sentia culpa, pois ela gostava dessa pessoa que tinha relacionamento com a sua família.

 

Após ouvir um pouco dessa história, faço questionamentos sobre a história de seus pais e avós e as informações agregaram considerável valor ao processo de análise do que iriamos fazer posteriormente, durante a constelação familiar.

 

Iniciamos a experiência da Constelação familiar, uma vez que eu iria testar as hipóteses do que eu acreditava poder conter informações na condução deste processo.

 

Peço para a cliente escolher um boneco que represente ela, um boneco para representar o pai e um boneco para representar a mãe.

 

Peço que ela experimente os lugares dos bonecos e ela diz que ao colocar a mão sobre o boneco que representa ela, ele se sentia vazio e triste. O boneco que representava o pai estava fraco também e o boneco que representava a mãe sentia um pouco de raiva.

 

Eu escolho um boneco de figura feminina e incluo no sistema e peço para ela experimentar a sensação deste novo elemento e ela diz que a boneca que representava ela sentia grande raiva e abandono. A figura do pai sentia bem com a entrada desse novo elemento e a figura da mãe sentia solidão.

 

Iniciamos as frases e ela se dá conta que a nova boneca representa o caso extraconjugal do pai. E que ela deveria ser incluída neste sistema, pois fez parte da história da vida do pai e consequentemente tem repercussão na vida dela.

 

Coloco ordem neste sistema de maneira que ela esteja no lugar apenas dela, de filha e que o problema conjugal entre o pai, a mãe e a amante do pai são de responsabilidade apenas deles, e que ela nada tem a ver com isso.

 

Ela compreende que por amor tentou proteger a mãe desta situação, mas que como filha, não poderia se meter em uma relação e história que nada dizia respeito a ela.

 

Ela refere sentir o peito mais aliviado e leve.

 

Encerramos a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Merecimento / Adoção

Publicado em 28 de maio de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois refere sempre sentir que não pode ou merece verdadeiramente as coisas em sua vida, de maneira, que pode até fazer planos e começar as coisas, mas por algum motivo, que desconhece, acaba não levando até o fim, desistindo antes de concluir.

 

Faço alguns questionamentos sobre sua família e iniciamos a constelação, mais como um processo de experimentação, do que efetivamente como uma constelação em si, pois não tinha muita certeza se havia força para uma constelação.

 

Peço para o cliente escolher um boneco para representar ele e outro boneco para representar o merecimento.

 

Eles se posicionam de maneira que o boneco que representa o cliente se coloca acima, quase como uma postura de arrogância e desrespeito.

 

Pergunto ao cliente como é sua relação com seus pais e ele conta que é filho adotivo e desconhece e não faz questão alguma de saber a história de seus pais, fazendo alguns comentários que desqualificam e desmerecem seus ancestrais.

 

Neste momento, posiciono os pais diante dele de maneira que ele possa olhar para eles, mas o cliente sem perceber olha para eles de cima para baixo, como uma postura autoritária e nada disponível.

 

Falo algumas frases, mas o cliente não consegue repetir, tendo apenas a intenção de submeter os pais ao sentimento dele de exclusão e de abandono. Sem perceber, subjugou os pais pelo que eles fizeram, só tendo em seu coração, lugar para os pais que lhe adotaram.

 

Neste caso, eu não pude seguir adiante com a constelação, pois não há um reconhecimento dos pais biológicos por parte do cliente, o que inviabiliza continuar o processo.

 

Eu não posso obrigar ou forçar ninguém a fazer algo que não esteja verdadeiramente em seu coração, desta maneira, expliquei para o cliente que a constelação não teria efeitos, uma vez que seria necessário, de alguma maneira, aceitar o que os pais fizeram, sem julgamento, pois está feito.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

Como funciona uma Constelação em Grupo?

Publicado em 10 de abril de 2018 por MariEZ

 

Esses dias eu mandei um convite para um trabalho que farei em grupo no próximo mês e algumas pessoas me perguntaram como é que funciona.

 

Eis que não havia me dado conta que para mim é um tanto óbvio do que se trata esse trabalho, mas para a maioria das pessoas, não é nada disso.

 

Então, hoje eu vou explicar como é realizado o trabalho de Constelação Familiar com pessoas.

 

Vou tentar explicar da maneira mais simples possível, pois me pego escrevendo em termos técnicos o que acaba dificultando o entendimento.

 

Vamos ao inicio:

 

Cliente me procura com um determinado problema que deseja resolver.

 

Hipoteticamente vou dar o exemplo de síndrome do pânico.

 

Vou conversar com o cliente, buscando entender quando os sintomas começaram, como são as crises e dados relevantes da síndrome.

 

Depois farei perguntas sobre o contexto familiar, no que diz respeito a passado e presente. Vou perguntar inclusive coisas relacionadas a seus pais, avós, tios, entre outras perguntas para conhecer um pouco mais sobre sua história familiar.

 

Farei perguntas pontuais, caso considere necessário compreender algo que eu ainda possa ter dúvidas.

 

Explico para o cliente o que é uma constelação familiar e também falo sobre as ordens do amor.

 

Peço para ele ficar atenta a qualquer sentimento, emoção, sensação, palavra, intuição, insight ou seja lá o que for que aconteça quando começarmos a movimentar os bonequinhos.

 

Então, começamos a constelação, quando peço para o cliente escolher e posicionar os bonecos, conforme a questão.

 

No exemplo que eu dei, trata-se do pânico, então o cliente coloca um boneco que represente ele e um outro em outro lugar qualquer da mesa que represente o pânico.

 

Com base nos posicionamentos e sentimentos despertados, por conta do acesso ao sistema familiar, fazemos os movimentos necessários, que vão surgindo por conta do que é revelado durante o processo de constelação.

 

Usamos as frases que tem impacto sobre o sistema e a constelação vai seguindo o caminho conforme o que é possível acessar.

 

Cada pessoa tem uma história familiar, e cada constelação irá mostrar o que pode ser acessado de maneira a trazer uma melhor compreensão ou consciência do que é necessário para que aquela pessoa possa sentir-se melhor ou apropriar-se de sua história.

 

Sempre que vou atender uma pessoa em Constelação Familiar, eu nunca sei o que ela irá me contar e sempre digo que nunca sei o que a Constelação irá nos proporcionar.

 

Não prometo cura, não prometo libertação, não prometo nada…

 

Só me comprometo com a possibilidade de uma nova consciência se apresentar e a partir disso o cliente tomar suas decisões baseadas no que ele toma como novo conhecimento e acima de tudo, as ordens do amor.

 

O trabalho com bonecos é indicado para pessoas que não gostar de trabalhar em grupo ou não querem ter sua questão exposta para outras pessoas.

Bom….

 

Com pessoas, o processo é exatamente o mesmo…

 

Ao invés de bonecos, o cliente escolherá pessoas que estarão no grupo para representar o que iremos constelar.

 

Essas pessoas não sabem nada da história do cliente e por isso mesmo, o processo é muito rico, pois elas trazem informações que somente o cliente sabia, e com base nisso, fazemos os movimentos necessários para buscar restabelecer a ordem neste sistema familiar.

 

Quando faço o trabalho com bonecos, eu fico responsável por saber o que os bonecos estão revelando / sentindo no lugar das pessoas, o que torna o processo um pouquinho mais complexo para mim, mas nada impossível, requer apenas que eu esteja junto com o cliente durante o processo, desprovida de pré conceitos, julgamentos e nunca ter a intenção de resolver o problema, eu estou apenas como facilitadora para levar a melhor resolução, conforme o que é necessário para aquela família ou história.

 

Quando o trabalho é feito em grupo, eu deixo essa responsabilidade para os participantes, mas continuo sempre atenta a tudo o que acontece.

 

Lembrando que uma constelação é sempre um processo único.

 

Ela nos leva até onde é possível conhecer ou esclarecer no momento, sendo que ela pode ser repetida depois de algum tempo, porém não costumo considerar necessário constelar o mesmo tema, e sim outras possibilidades e perspectivas que podem se apresentar depois de uma primeira constelação.

 

Qualquer assunto pode ser constelado.

 

Exemplos:

  • Relacionamento com namorado ou namorada;
  • Relacionamento com filhos;
  • Relacionamento marido e mulher;
  • Relacionamento extra-conjugal;
  • Doenças (Não substituindo outros tipos de tratamentos);
  • Dinheiro;
  • Ex namorados;
  • Aborto;
  • Problemas com drogas;
  • Histórias de passado mal resolvidas;
  • Sentimento de rancor por outras pessoas;
  • Heranças;
  • Emprego;
  • Sentimentos diversos, entre milhares de outros temas.

 

Lembrando que a constelação não é oráculo, então não diz respeito a futuro.

 

A constelação também não tem por objetivo mudar a vida de ninguém ou obrigar as pessoas a fazerem o que nós gostaríamos, o nome disso é outra coisa…. Mas ela traz um novo entendimento para que possamos nos responsabilizar e seguir novos caminhos conforme nosso entendimento.

 

Era um texto explicativo que acabou virando um livro, mas espero ter esclarecido um pouquinho como eu realizo este trabalho.

 

Qualquer dúvida, me avise, que eu responderei o quanto antes.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972

Facilitadora de Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Dificuldade para estudar (Segredo de Família)

Publicado em 5 de abril de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Pessoa me procura, contando parte de sua história pessoal e o que deseja constelar.

 

Me conta ter retomado os estudos recentemente e está muito feliz com essa conquista, mas ao mesmo tempo, muito preocupada, pois esta com grande dificuldade para aprender, como se o conhecimento escapasse e fosse impossível de ser apreendido.

 

Conta-me também pouca coisa sobre seu histórico familiar, pois desconhece a história de seus antepassados, inclusive pai e mãe.

 

Depois de fazer alguns questionamentos sobre seu histórico familiar, iniciamos a constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco para representar ela e um outro para representar o conhecimento.

 

Quando ela dispõe os bonecos na constelação, ela refere dificuldade para conseguir enxergar o boneco que representa o conhecimento. Ela não consegue ver ele literalmente.

 

O boneco do conhecimento olha para o boneco que representa ela, mas o boneco que representa ela está olhando em outra direção.

 

(Outras movimentos acontecem, mas elucidarei o fato em si).

 

Movimentamos o boneco que representa ela de maneira a ficar de frente ao boneco que representa o conhecimento.

 

Ela sente dificuldade para se aproximar e olhar.

 

Iniciamos as frases, e neste momento, ela se emociona muito.

 

Diz que nunca pôde entrar em contato com este sentimento, mas que a constelação lhe fez recordar e acessar lembranças e sentimentos relacionados seu pai. Ela disse que nunca teve contato com ele, não sabendo inclusive quem ele era, pois a mãe havia sofrido muito por causa dele, e nunca permitiu que ela soubesse nada sobre ele.

 

Neste momento, integramos o pai a história dela, e incluímos a mãe a constelação, de maneira, que ela reconheça que existe espaço para os dois em sua vida e em seu coração.

 

Ela toma a força de seus ancestrais.

 

Para finalizar, coloco um boneco para representar novamente o conhecimento, já que o boneco que representava o conhecimento transformou-se em seu pai que não podia ser acessado.

 

Neste momento, ela diz que consegue ver e sente-se bem diante dele, querendo seguir em direção a ele.

 

Encerro a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972

Facilitadora de Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Tentando ter um negócio (Aborto X Relacionamento com o Pai)

Publicado em 26 de março de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual é realizada.

 

Cliente me procura, pois está com um problema relacionado ao aspecto profissional.

 

Ele tem uma empresa hoje, mas ela não lhe dá rendimentos, gastando mais do que deveria.

 

Posicionamos ele e a empresa, quando o sistema apresenta exclusões.

 

Pergunto a ele se ele teve alguma perda na família e ele disse que uma namorada na adolescência havia sofrido dois abortos. Ele refere nunca ter contado isso para ninguém e também carregava esse sentimento de culpa até hoje, pois acredita que a decisão da namorada naquela época teve relação com a maneira que ele se posicionou no passado.

 

Grande emoção toma conta da constelação.

 

Posicionamos os dois abortos e a ex namorada no sistema, ele reverencia e agradece essas histórias.

 

Refere sentir leveza e libertação neste momento.

 

Voltamos ao inicio da constelação e posiciono a empresa novamente.

 

O sistema ainda demonstra que algo está faltando.

 

Ele começa a chorar e diz que não conheceu o pai e que sentia falta dele em seu coração.

 

Questionei sobre o que se tratava e ele disse que o pai faleceu quando ele tinha menos de dois anos de idade, e que ele sentia uma falta devastadora por não ter convivido com o pai.

 

Incluo o pai dele no sistema e fazemos os movimentos e reverencias necessárias para que ele fosse incluído e ocupasse o seu lugar de fato.

 

Ele diz ao pai que esperou a vida inteira por esse encontro.

 

Neste momento, encerro a constelação.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972

Facilitadora de Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Escolha profissional X Escolhas feitas no passado

Publicado em 13 de março de 2018 por MariEZ

 

Cliente procura constelação, pois está em um momento da vida que deseja seguir uma carreira, mas está com grande dificuldade para decidir o que fazer.

 

Após conversarmos um pouco, e conhecer um pouco mais sobre sua história familiar, iniciamos a constelação.

 

Informo para ela que iriamos experimentar a constelação, uma vez que eu não estava cem por cento segura de que aquele assunto poderia ser constelado.

 

Importante deixar claro, que não dizia respeito a o tema em si, mas a motivação que ela trazia para constelar.

 

Iniciamos “a experiência” de constelação.

 

Peço para ela escolher um boneco que represente ela e um boneco que represente a profissão.

 

Ela coloca os bonecos lado a lado.

 

Neste momento, percebo que não se trata da profissão, mas de algo relacionado ao seu casamento.

 

O sistema demonstra que existe algo que diz respeito a outra história e não ligado a profissão.

 

Neste momento, pergunto a ela se ela havia feito alguma promessa a alguma pessoa, e ela diz que ela e o esposo haviam feito um pacto relacionado a escolha profissional, porém ele não estava cumprindo a parte dele.

 

Neste momento, iniciamos os movimentos, devolvendo a responsabilidade aos dois envolvidos na história, no que estava ligada a profissão e ao pacto / promessa que eles haviam feito.

 

Digo que a constelação encerrava-se naquele momento.

 

Percebo que a cliente fica um pouco decepcionada, pois constelação não trouxe a solução que ela esperava.

 

Digo que o sistema é sábio e nos leva ou nos mostra exatamente para o que precisamos
naquele momento. Mas que depende apenas de nós mesmos, para que possamos seguir adiante com uma nova consciência e novas possibilidades.

 

Obs. Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972

Facilitadora de Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

Constelação Familiar - Presa a uma história de amor do passado 

Publicado em 17 de janeiro de 2018 por MariEZ

 

Este texto faz parte de uma série de textos que irá explicar um pouco como uma Constelação Familiar Individual com bonecos é realizada.

 

Cliente me procura com queixa de sentir muita tristeza e falta de sentido em sua vida.

 

Refere que em seu passado era mais motivada, interessada pela vida e tudo o que estivesse relacionado a amor.

 

Conta-me que depois de um determinado episódio em sua vida, nunca mais conseguiu ser ela mesma, fazendo as coisas com alegria, segurança, vivacidade e independência.

 

Pedi para me contar a história, e ela refere que depois de uma desilusão amorosa, que teve um rompimento dramático e doloroso, ela nunca mais conseguiu seguir em frente ou esquecer essa história.

 

Fiz mais alguns questionamentos e ela me contou a história com detalhes, desta maneira, tinha todas as informações necessárias para iniciar uma constelação, sendo que eu utilizaria um método diferente do aplicado usualmente.

 

Pedi para ela escolher um boneco que representasse ela e outro boneco para representar a pessoa que ela era quando esse evento aconteceu.

 

Logo após posicionar os bonecos, ela começou a chorar com grande emoção, lembrando-se da menina que ela foi um dia, assim como de tudo o que ela carregava dentro de seu coração.

 

Ela posicionou os dois bonecos e o movimento que se apresentou foi o da pessoa daquela época sentindo-se mal, envergonhada e querendo fugir.

 

Pedi para o boneco de hoje reverenciar o boneco do passado, agradecendo a ele por tudo o que ela viveu, sendo a pessoa forte e incrível e pela coragem em ir atrás de seus desejos e objetivos. E agradecer ela pela história que ela se permitiu viver no passado, pois graças a essa história e tudo mais que ela construiu, hoje existe uma vida plena com conquistas em diversos aspectos. Mas que a história de amor mal resolvida do passado tem que ficar no passado, agradecendo ela por ter existido, mas hoje, ela não faz mais parte do momento presente.

 

O boneco do passado emociona-se e toma sua força e o seu lugar.

 

O sistema mostra uma força de integração, pedindo que o boneco do presente integre o boneco do passado, de maneira, a trazer todas as qualidades e potencialidades daquele momento para o momento atual, de maneira, que a cliente hoje, possa seguir com sua história adiante, sem vergonha do que houve e sim com mais força e determinação, completa e inteira de si mesma para o que pode e há de ser vivido.

 

Muita emoção toma conta da constelação.

 

Os bonecos se abraçam e se completam.

 

Encerro a constelação.

 

Obs: Lembrando que a Constelação Familiar não tem intenção de curar ou “livrar” ninguém de seus problemas ou questões, ela tem por objetivo trazer a luz ao problema, e permitir que o constelado pense a respeito e tome as decisões que melhor lhe convirem a partir deste processo.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972

Facilitadora de Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

O que não é Constelação Familiar

Publicado em 3 de outubro de 2017 por MariEZ

 

Algumas pessoas me procuram para perguntar sobre Constelação Familiar, e eu, suspeita e fã de carteirinha do método, acabo falando sobre a minha experiência e um pouquinho do que tenho de conhecimento que adquiri durante a formação, leitura de livros e outros Workshops em que participei.

 

Conforme vamos conhecendo um pouco mais o método, podemos dizer o que pode ou não acontecer durante este processo e algumas coisas que eu já ouvi e que é importante dizer, não são Constelação Familiar.

 

Vidas passadas:

 

A Constelação Familiar não trabalha e não acessa vidas passadas. Em hipótese alguma isso pode ser colocado como real. A Constelação diz respeito ao sistema familiar que existe e existiu e que permite que você esteja vivo hoje, ou seja, como costumo dizer, toda a força dos sobrenomes e do sangue que existe em você e lhe pertence graças a seus antepassados, aos seus ancestrais.

 

Você tem pais, avós, bisavós, tios, e por ai vai e é este sistema que a Constelação Familiar acessa e ponto final.

 

Por isso o método pode ser usado por qualquer pessoa e nada diz respeito a espiritualidade, religião, dogma ou fé.

 

Apontar culpados

 

A metodologia criada por Bert Hellinger segue e traz a luz as ordens do amor. Entende-se que tudo o que acontece em um sistema familiar, diz respeito a uma tentativa de estabelecer ordem ou equilíbrio em situações que possam ter fugido a ordem natural das coisas ou da vida.

 

Desta forma, em hipótese alguma utiliza-se o termo “culpado” assim como também não se utiliza a palavra “perdão”.

 

Se algo aconteceu, faz parte da história daquela pessoa e faz parte do sistema familiar, sendo assim, por amor, algumas pessoas acabam experimentando algo diferente dos demais membros da família, e por este motivo, estamos a serviço das ordens.

 

Não constelamos outras histórias:

 

Algumas pessoas nos procuram para tentar modificar algum comportamento ou mudar algo em outras pessoas que elas consideram que estão impactando em suas vidas.  Por exemplo, o marido fica pegando no pé por algum motivo qualquer.

 

Ninguém, pode usar a Constelação familiar a seu bel prazer, acreditando que pode mexer ou modificar comportamento de pessoas que nem sequer estão presentes. Isso é tratado como uma questão ética, que diz respeito ao livre arbítrio de cada pessoa e não pode ser utilizado de maneira leviana para mudar algo que nós queremos que seja diferente.

 

Magia:

 

Uma vez, conversando com uma pessoa, ela disse que havia participado de uma constelação e a pessoa que conduziu o processo havia lhe informado que era possível identificar que haviam feito “magia” contra o relacionamento dela. Não existe possibilidade alguma de isso ser verificado durante uma constelação.

 

Novamente, deixo claro aqui, a Constelação Familiar não dá conta deste tipo de informação e não tem por objetivo responsabilizar ou trazer vitimas ou culpados para que o sistema ou a história das pessoas tenha um sentido.

 

Na vida, as vezes precisamos buscar responsáveis ou culpados para que nossas dores tenham um sentido ou um lugar.

 

A Constelação Familiar traz a luz ou a consciência uma nova forma de perceber ou enxergar as coisas que nos aconteceram. Muitas vezes, nem sabemos que estamos emaranhados a essa história, mas ao nos darmos conta, tomamos a responsabilidade para nós e a partir disso, podemos escolher o que fazer para seguir adiante e resinificar nossa vida e consequentemente a vida de todas as pessoas de nosso sistema familiar.

 

Você teve alguma experiência diferente ou tem dúvidas se o que aconteceu é ou não Constelação Familiar? Conte sua experiência e vamos pensar juntos sobre o que aconteceu.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972

Facilitadora de Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br