Biblioteca / Textos Blog

Nesta página você pode ler um pouco sobre o que eu penso.

 

Os textos estão relacionados a comportamento humano, psicologia, reflexão, assim como conteúdo de auto estima, psicologia organizacional e Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa. 

 

Obrigada pela visita! :)

 
Ter uma relação de merda e ainda continuar nela 

Publicado em 25 de fevereiro de 2019 por MariEZ

 

Acordou de manhã com o despertador avisando que está na hora de levantar, mas na hora que ele tocou, deu uma vontade de jogar ele na parede.

 

Ai você levanta e começa a fazer as coisas, mas se dá conta que queria, que ai invés de ser segunda feira, você queria que fosse sexta, porque você ia ter tempo para descansar e aproveitar de novo a vida.

 

Pois é…

 

Sinto muito em te dizer, mas a vida assim é muito chata.

 

Ter que esperar o próximo final de semana para achar que tem a sua vida de volta.

 

Então, hoje, você vai começar de novo.

 

Vai ouvir o despertador tocar e vai desligar ele.

Vai se espreguiçar e agradecer…

Pela cama, pelo travesseiro, pelo cobertor ou lençol, pelo quarto, pela cortina…. Por tudo que tem ao seu redor.

 

Sim… Vai agradecer!

 

Depois você vai fazer as coisas que você faz de manhã, como o asseio pessoal, tomar café, arrumar as coisas para as tarefas e responsabilidades que você terá durante o seu dia.

 

Hoje você está proibido de reclamar:
– Que as crianças ficam enrolando para se arrumar para você levar elas para a escola;
– Que seu marido / esposa / amante/ namorado (a) / chefe……. não reconhece o que você faz e sempre pede mais, mais e mais…
– Que você não consegue emagrecer ou engordar;
– Que seu salário é muito ruim ou que você não aguenta mais ficar desempregado;
– Que sua mãe ou seu pai não lhe entendem….

 

Hoje…

 

Só por hoje, eu te desafio por vinte e quatro horas a experimentar o “hoje é proibido reclamar”.

 

Ao invés disso, quando um pensamento lhe vier a cabeça querendo lhe lembrar que existe um problema ou algo está errado, você simplesmente vai dar um sentido positivo para ele e agradecer.

 

Por exemplo: Não acredito que eu esqueci de pagar a conta do cartão de crédito que venceu ontem, como assim eu deixei isso acontecer, eu sou uma idiota mesmo….

 

Você vai rapidamente mudar para: Tenho uma conta do cartão de crédito para pagar e vou resolver essa situação o quanto antes.

 

Você não vai brigar ou se colocar para baixo ou não vai brigar e falar mal de ninguém, por que hoje você escolheu levar a vida leve e positivamente.

 

– Levei uma fechada no trânsito: Ainda bem que eu consegui desviar e frear a tempo;

– Meu marido prometeu passar no mercado para comprar as coisas, mas esqueceu: Querido, você pode providenciar por gentileza o que havia se comprometido antes?
– Manchei minha blusa predileta com água sanitária: Será que se eu levar na tinturaria, eles conseguem resolver para mim? Ou terei de doar e comprar uma nova para mim;
– E o que mais você conseguir resinificar…

 

Alguém ai já leu o livro Pollyana?

 

É um livro fofo, (para alguns poderá ser irritante), mas é uma nova maneira de perceber a vida.

 

A vida te oferece o que você se propõe a enxergar.

 

Se você vê e faz peso, ela te oferece peso.

 

Se você é feliz, ela devolve felicidade.

 

Se você vê amargura, ela te devolve amargura.

 

Se você escolhe não reclamar, e ver sempre o lado bom das coisas, de tanto praticar, você começará a resolver problemas com muito mais agilidade e facilidade e tudo ficará mais leve e dinâmico.

 

Você fará do seu dia novas oportunidades de desenvolvimento, crescimento e consciência.

 

Uma gentileza no trânsito, um lixo que você pegou do chão e colocou na lixeira, esperar uma outra pessoa para subirem de elevador, dar orientações para alguém na rua….

 

O mundo pode ser sim um lugar melhor, mas para isso, eu preciso começar comigo e o meu pequeno universo, e quando eu menos esperar, tudo ao meu redor estará em ressonância…

 

Experimente e faça do seu dia um dia muito melhor!

 

Porque a partir de hoje, eu vou reclamar menos e agradecer mais!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
Hoje está proibido reclamar 

Publicado em 18 de fevereiro de 2019 por MariEZ

 

Acordou de manhã com o despertador avisando que está na hora de levantar, mas na hora que ele tocou, deu uma vontade de jogar ele na parede.

 

Ai você levanta e começa a fazer as coisas, mas se dá conta que queria, que ai invés de ser segunda feira, você queria que fosse sexta, porque você ia ter tempo para descansar e aproveitar de novo a vida.

 

Pois é…

 

Sinto muito em te dizer, mas a vida assim é muito chata.

 

Ter que esperar o próximo final de semana para achar que tem a sua vida de volta.

 

Então, hoje, você vai começar de novo.

 

Vai ouvir o despertador tocar e vai desligar ele.

Vai se espreguiçar e agradecer…

Pela cama, pelo travesseiro, pelo cobertor ou lençol, pelo quarto, pela cortina…. Por tudo que tem ao seu redor.

 

Sim… Vai agradecer!

 

Depois você vai fazer as coisas que você faz de manhã, como o asseio pessoal, tomar café, arrumar as coisas para as tarefas e responsabilidades que você terá durante o seu dia.

 

Hoje você está proibido de reclamar:
– Que as crianças ficam enrolando para se arrumar para você levar elas para a escola;
– Que seu marido / esposa / amante/ namorado (a) / chefe……. não reconhece o que você faz e sempre pede mais, mais e mais…
– Que você não consegue emagrecer ou engordar;
– Que seu salário é muito ruim ou que você não aguenta mais ficar desempregado;
– Que sua mãe ou seu pai não lhe entendem….

 

Hoje…

 

Só por hoje, eu te desafio por vinte e quatro horas a experimentar o “hoje é proibido reclamar”.

 

Ao invés disso, quando um pensamento lhe vier a cabeça querendo lhe lembrar que existe um problema ou algo está errado, você simplesmente vai dar um sentido positivo para ele e agradecer.

 

Por exemplo: Não acredito que eu esqueci de pagar a conta do cartão de crédito que venceu ontem, como assim eu deixei isso acontecer, eu sou uma idiota mesmo….

 

Você vai rapidamente mudar para: Tenho uma conta do cartão de crédito para pagar e vou resolver essa situação o quanto antes.

 

Você não vai brigar ou se colocar para baixo ou não vai brigar e falar mal de ninguém, por que hoje você escolheu levar a vida leve e positivamente.

 

– Levei uma fechada no trânsito: Ainda bem que eu consegui desviar e frear a tempo;

– Meu marido prometeu passar no mercado para comprar as coisas, mas esqueceu: Querido, você pode providenciar por gentileza o que havia se comprometido antes?
– Manchei minha blusa predileta com água sanitária: Será que se eu levar na tinturaria, eles conseguem resolver para mim? Ou terei de doar e comprar uma nova para mim;
– E o que mais você conseguir resinificar…

 

Alguém ai já leu o livro Pollyana?

 

É um livro fofo, (para alguns poderá ser irritante), mas é uma nova maneira de perceber a vida.

 

A vida te oferece o que você se propõe a enxergar.

 

Se você vê e faz peso, ela te oferece peso.

 

Se você é feliz, ela devolve felicidade.

 

Se você vê amargura, ela te devolve amargura.

 

Se você escolhe não reclamar, e ver sempre o lado bom das coisas, de tanto praticar, você começará a resolver problemas com muito mais agilidade e facilidade e tudo ficará mais leve e dinâmico.

 

Você fará do seu dia novas oportunidades de desenvolvimento, crescimento e consciência.

 

Uma gentileza no trânsito, um lixo que você pegou do chão e colocou na lixeira, esperar uma outra pessoa para subirem de elevador, dar orientações para alguém na rua….

 

O mundo pode ser sim um lugar melhor, mas para isso, eu preciso começar comigo e o meu pequeno universo, e quando eu menos esperar, tudo ao meu redor estará em ressonância…

 

Experimente e faça do seu dia um dia muito melhor!

 

Porque a partir de hoje, eu vou reclamar menos e agradecer mais!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
O dia que eu fui ao psiquiatra

Publicado em 11 de fevereiro de 2019 por MariEZ

 

Todo mundo nessa vida já teve uma situação de emergência que teve que correr para o pronto socorro.

 

Estou certa ou estou errada?

 

Quando a gente se dá conta que a dor está demais, a febre aumentou muito, o mal estar é desesperador, então nesse momento a gente dá um jeito e vai correndo para o pronto socorro.

 

Pois bem…

 

-Quando não conseguimos mais ler as letrinhas pequenas a gente vai ao oftalmologista.
Quando estamos com dor em algum dente, vamos ao dentista.
Quando nosso filho está passando mal, sempre temos um pediatra do coração para levar nossos pequenos.
Quando eu como demais e espero um milagre para emagrecer, eu vou ao endocrinologista ou a um nutricionista.

E por ai vai….

 

Outro exemplo que uso sempre: Quando descubro que a minha tireoide está funcionando de maneira irregular, vou a endocrinologista e pode ser que ele me prescreva uma medicação para eu usar o resto da minha vida, porque a minha querida tireoide veio com algum problema de fábrica e não sabe mais trabalhar sozinha.

 

Ouuuuuu

 

Quando sou diabética e preciso tomar insulina…
Tenho glaucoma e preciso aplicar colírio para sempre…
Tenho psoríase (eu sim!!!) e precisamos usar corticoide quando ela resolve dar o ar da graça…

 

Mas quando se trata de psiquiatra, as coisas mudam significativamente de entendimento.

 

“Eu não sou louca”;
“Eu não sou maluca”;
“Eu não vou tomar medicação e ficar viciada para o resto da vida”;
“Eu consigo sair dessa sozinha”;
“Só pessoas fracas vão ao psiquiatra”;
“Eu dou conta sozinha”…

Vocês não imaginam a quantidade de coisas que eu já ouvi…

 

Só que psiquiatra é médico como qualquer outro e não sei porque cargas d´água as pessoas tem tanto receio e preconceito.

 

Eu, como psicóloga faço o meu trabalho, porém consigo reconhecer quando a psicoterapia poderá auxiliar até um determinado ponto, pois existem questões que são fisiológicas / orgânicas.

 

Por exemplo: A pessoa já está tanto tempo triste, mas tanto tempo mesmo, que o organismo dela desaprendeu a fabricar a substância necessária para ela ficar feliz. Então a psicóloga vai ajudar a lidar com as emoções e sentimentos, e o psiquiatra vai indicar a medicação certa para que o organismo volte e restabeleça o funcionamento e a fabricação do que é necessário para ele ficar “feliz” de novo.

 

Entenderam?

 

Claro, que cada paciente é um paciente.

 

Outra coisa que também ouço é: Não quero tomar remédio para sempre.

 

Mas uma coisa é certa: Se você fizer o acompanhamento certinho, conforme a indicação do médico, esse acompanhamento tem tempo para começar e terminar.

 

O grande problema é que nos primeiros quinze a vinte dias a pessoa sente efeitos da medicação no organismo e desiste, pois acha tudo isso ruim. Ou na outra ponta do processo, estão aqueles que depois de um mês tomando já sente o milagre da cura e largam…

 

Péssima ideia, pois o organismo ainda está se adaptando e a medicação precisa ser tomada exatamente conforme o que o médico receitou, pois com base no que você perceber de melhora, ele irá aumentar ou diminuir a dosagem, mas sempre o médico, e somente o médico pode fazer isso.

 

Vou além…

 

A mesma idéia de uma pessoa que engordou trezentos quilos em dez anos e quer eliminar os trezentos quilos em um mês. Não existe milagre, existe um processo…

 

Com a Psiquiatria é a mesma coisa.

 

O processo de depressão, ansiedade, pânico, ou seja lá o que for, tem um tempo para se instalar e precisa de um tempo e paciência para que fique estável com o acompanhamento correto de um psicólogo e um médico de confiança.

 

Desta maneira, quando alguém te perguntar se você já foi a um psiquiatra, considere a possibilidade, não como uma pergunta ofensiva, mas como a possibilidade de se cuidar um pouco mais e reconhecer que existem coisas que a gente não consegue resolver sozinhos. Ok?

 

Ah…. e tudo bem pedir ajuda.

 

O médico e o psicólogo estão ai para isso!

 

Boa semana!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Faz a sua parte que a vida faz a dela

Publicado em 4 de fevereiro de 2019 por MariEZ

 

Esperando a morte da bezerra para que algum milagre opere na sua vida.

 

Quem nunca, que atire a primeira pedra.

 

Eu sei, nem eu mesma sei o que essa expressão quer dizer, mas entendo que deve ser muito tempo para isso acontecer.

 

O que muitas vezes nos esquecemos é que a vida depende única e exclusivamente de nós.

 

Vamos pensar juntos:
– Você que tem que se alimentar;
– Você que tem que se dar banho;
– Você que tem que fazer seu trabalho;
– Você que vai ao banheiro sozinho…

Já entendeu a lógica?

 

Mas no que diz respeito a outras coisas, você fica esperando que alguém venha fazer as coisas acontecerem quando a vida é só sua.

– O emprego não cai do céu: Você tem que mandar o currículo para a empresa saber que você existe;
– Para emagrecer você precisa parar de comer e começar a fazer alguma atividade física, pois ninguém pode emagrecer por você;
– O Crush só vai saber que você existe se você falar com ele ou ela; chamar para tomar um café (ou Whisky) e mostrar seu interesse…

 

E assim são as coisas na vida.

 

Para que elas aconteçam você tem que fazer a sua parte.

 

Sinto muito se você teve uma infância difícil e sua mãe ou pai não foram o que você queria.

Sinto muito se o seu primeiro amor foi uma droga e ele te fez acreditar que amar é uma desgraça;
Sinto muito se aconteceram coisas horríveis no seu passado ou na sua vida que te paralisaram e deixaram a vida amarga e difícil,…

 

Porém, o seu tempo é agora.

 

O passado está posto e não há nada que você possa fazer para mudar isso.

 

Mas agora sim, a sua vida é agora e o presente é seu.

 

Você pode tomar ela em suas mãos e fazer o que bem entender dela.

 

Tudo bem se tiver que começar do zero, pois o importante é começar de algum lugar.

 

Mesmo se você tiver oitenta anos de idade, você provavelmente ainda terá mais alguns bons anos pela frente, então viva a vida e não comece a se preparar para o fim, pois quando ele tiver de ser, ai sim você poderá se preocupar com isso, por hora, a sua meta será fazer o melhor uso da sua vida que você puder se oferecer.

 

Entendeu?

 

A vida é agora e ela é toda sua.

 

Eu sei que algumas dores do passado paralisam e até destroem nossa vontade de seguir adiante, mas por favor, tente por você, um dia de cada vez.

 

Coloque a sua dor ao seu lado, e diga para ela que você agradece ela ter cuidado de você por todo esse tempo, mas que agora você precisa tentar do jeito jeito.

 

A dor estará lá, mas não estará mais dizendo qual caminho você deve seguir.

 

Não se esqueça que quem está no comando é você.

 

Sempre foi!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
Não se esqueça de agradecer o que você tem 

Publicado em 28 de janeiro de 2019 por MariEZ

 

E esse texto inteiro será em primeira pessoa…)

 

Esse final de semana nos deparamos com mais uma notícia sobre deslizamento / soterramento e fiquei pensando como a vida é um sopro.

 

De repente temos e no minuto seguinte não mais.

 

E me deparei com algo particular, quando me pego querendo coisas, achando que sempre tem algo faltando o que ainda não é o suficiente.

 

A notícia me fez pensar no meu egoísmo em achar algumas vezes que a vida ainda não me deu tudo o que eu gostaria de ter.

 

Quando me esqueço de agradecer por todas as coisas que eu já conquistei até agora, pela minha casa, pela minha cama, pelo alimento, por tudo mesmo….

 

Até aquela caneta que escreve do meu jeito predileto.

 

Quando posso colocar a cabeça no travesseiro depois de um dia de agenda lotada, mas mesmo assim fico com a sensação de que ainda preciso, preciso e preciso…

 

Então eu paralisei…

 

Pensei que de alguma maneira, eu poderia estar naquele lugar, ser uma daquelas pessoas, de ter e depois não ter, uma casa, uma família, a vida…

 

E de uma fatalidade, eu aprendi a minha lição: O que eu tenho é sim suficiente, é necessário e basta.

 

Eu devo sim celebrar minha vida, minhas conquistas, minhas coisas, mas a partir de hoje eu me obrigo a não reclamar de coisas que tomam meu tempo, minha atenção e tomavam minha paz.

 

A minha paz é estar viva e ter sim uma vida que me permita ir atrás do que eu quero.

 

Não estou dizendo que não podemos desejar ou querer cada vez mais, mas a minha escolha é ficar feliz, mesmo se eu ainda não tiver essas coisas, mesmo se ainda estiver faltando alguma coisa…

 

Mesmo se eu ainda não tiver o carro do ano;

A conta não estiver no azul esse mês;
Se eu tiver que limpar a casa quando estiver com preguiça;

E agora eu escolho:
Ficar feliz por que o dia amanheceu com sol;
Porque eu posso fazer meu café e tomar ele quentinho;
Porque minha casa é fofa do jeito que eu sempre quis;
Porque meu trabalho é o melhor trabalho que eu já tive a minha vida inteira;

 

Porque eu não sei como vai ser o dia de amanhã, mas eu não vou mais reclamar de besteira e bobagens.

 

Eu só vou tomar a minha vida a partir de agora e fazer o melhor uso que eu puder dela, porque ela é uma só.

 

E você? O que você escolhe a partir de agora?

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
"Está tudo bem"

Publicado em 11 de dezembro de 2018 por MariEZ

 

Logo quando o despertador toca, você já fica pensando no dia que vem pela frente e nas milhares de coisas que terá de resolver.

 

Muitas vezes temos problemas que aparecem e nos tiram o sono.

 

Ficamos pensando formas e e maneiras de resolver eles, mas parece que nada é suficiente para tirar ele da nossa cabeça.

 

E muitas vezes sabemos que no momento, na realidade, não existe muito a ser feito pela situação ou problema, precisamos deixar o tempo agir ou deixar outras coisas se acertarem para que possamos resolver a questão.

 

– Pode ser um problema de saúde, quando o médico diz que devemos repetir os exames para que ele possa fechar o diagnóstico e pensar no tratamento mais adequado para o caso;
– Pode ser um problema financeiro, daqueles de tirar o sono, que ficamos pensando em diversas soluções para que possamos sanar a dívida ou negociar o que ainda existe para ser pago;
– Pode ser aquela pessoa que você ama, e simplesmente faria tudo por ela, mas de maneira alguma ela lhe dá uma chance, ou simplesmente, não está mais afim de você;
– Aquela equipe de trabalho, que só de chegar no ambiente, você já se sente sugado e carregado;
-O carro que resolve quebrar e cada vez que você volta no mecânico, fica se perguntando porque ainda não vendeu aquela tranqueira….

E tantos outros exemplos, que você certamente poderá pensar…

 

A intenção deste texto é te convidar a tentar fazer as coisas sob uma outra perspectiva, que é contrária a tudo o que você já experimentou até hoje.

 

Os problemas, você já sabe como são e quais são.

 

Já pensou e repensou tantas maneiras de resolver, que quase já se tornou um Expert em buscar novas alternativas e possibilidades.

 

E sim, isso é de extrema valia para solucionarmos nossos problemas.

 

Mas quero te convidar a formular a seguinte frase, toda vez que você estiver diante de algum desafio, ou uma situação de briga, raiva, dificuldade para resoluções ou seja lá o que estiver dificil: Respire fundo e diga “Está tudo bem”.

 

Mas Marilice, não tá nada bem, você não sabe os perrengues que eu estou passando…

Verdade… eu não sei mesmo, e não é minha intenção menosprezar ou dizer que o que você está passando não tem relevância ou valor. Mas gostaria que você experimentasse por um instante a sensação de se sentir bem diante do problema.

 

Você pode estar no ápice do problema, mas por um instante, diante do problema você vai dizer “está tudo bem”, e tente sentir com o coração como se tudo estivesse realmente bem.

 

Algo interessante acontece conosco, e parece que com esta escolha consciente de tentarmos amenizar a complexidade do problema, parece que temos mais ânimo ou fôlego para encaramos e lidarmos com a situação.

 

Por exemplo: Vamos supor que estou devendo dinheiro para o banco, mas eu sei que estou trabalhando e fazendo minha parte, então neste caso, sim… está tudo bem, pois eu estou consciente da situação, fazendo o que está ao meu alcance e escolhendo não me envolver com sensação de dificuldade ou desespero, simplesmente escolho ficar no meu melhor, ficar do meu lado, ficar leve e deixar a situação me mostrar alguma outra solução. Quando eu escolho “está tudo bem”, eu deixo a vida me levar para as melhores saídas, eu escolho olhar a vida de cima, e não dentro do problema.

 

Desta maneira, a forma que encaramos a vida se torna ampla e nos oferece alternativas que antes poderiam passar despercebidas, pois estávamos dentro do problema, querendo resolver ele a qualquer custo.

 

Quando eu percebo que “estar bem” me coloca do meu lado, eu posso assumir que tudo se resolve, que é questão de tempo, entendimento e consciência.

 

Eu escolho ficar do meu lado, eu escolho ficar no meu melhor, eu escolho ficar leve, eu escolho fazer uma coisa de cada vez, eu escolho o fácil…

 

E quando “está tudo bem”, eu posso te garantir “tudo fica bem”.

 

Experimente…

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Vida mais ou menos ou vida plena? Escolha a sua 

Publicado em 3 de dezembro de 2018 por MariEZ

 

Sabe aquela pessoa que toda vez que te procura e sempre, mas absolutamente sempre tem um problema para te contar? – Pois é… Provável que todo mundo conheça uma pessoa assim.

 

Você recebe ligação, mensagem de voz, e-mail, vê as postagens do Facebook e só dá reclamação.

 

Chega quase a dar um sentimento de tristeza quando você lembra dessa pessoa, e fica pensamento, “Caramba, mas porque será que tudo dá errado para essa pessoa?

 

E pode ser que aí esteja o problema.

 

A questão dessa pessoa pode ser exatamente isso: Ser triste dá mais ibope do que ser feliz.

 

Quando essa pessoa faz esse movimento, de alguma maneira, consegue prender a atenção, ter palavras de consolo das pessoas e talvez um pouco de carinho e cuidado.

 

Algumas pessoas, sem querer ou perceber, aprendem a encarar a vida de uma maneira negativa, difícil, penosa, sacrificada. E tudo que vem desse referencial, só pode oferecer a mesma medida, ou seja, coisas difíceis e penosas.

 

Quando começamos a ver a vida sob uma perspectiva de escassez e falta, dificuldade e sofrimento, a nossa percepção ficará alterada e só começará a responder a isso.

 

Vou dar um exemplo: Outro dia estava conversando com uma pessoa e ela me disse que está buscando um curso específico, e ficou deslumbrada quando percebeu que na maioria dos lugares que ela estava, só se falava sobre isso.

 

Na verdade, ela despertou o interesse por um determinado assunto e a percepção dela acabou permitindo ela enxergar que isso está a disposição e ela pode escolher isso, da maneira que melhor lhe convir.

 

O exemplo que eu dei é voltado para algo positivo, mas isso serve também para o negativo.

 

Quando dizemos que nossa vida é difícil, que nunca consigo determinada coisa, eu só estou permitindo que as coisas aconteçam exatamente desse jeito.

 

Por mais estranho que possa parecer, não são as coisas ou a vida que nos coloca nesse lugar, a responsabilidade é única e integral nossa.

 

Então, quando você encontrar aquela pessoa que leva a vida vendo as coisas do jeito ruim, lembre-se que de alguma maneira, ela escolheu ver ou viver ela assim.

 

Mas que existem outras maneira de seguir adiante, isso eu posso garantir que existem sim, porém, a escolha é sua, sempre é só sua.

 

Então: O que você decide?

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 
Se você acredita que está difícil, então tá...

Publicado em 31 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Sabe quando você tenta resolver as coisas na sua vida, mas parece que nada vai para frente?

 

Parece que para onde você resolve olhar, você não vê saídas?

 

E ai, acabamos por responsabilizar o que está ao nosso redor como culpado pelo que está acontecendo:

– A crise está acabando com o meu negócio;
– Colocaram inveja no meu relacionamento e agora parece que nenhum que eu tenho vai para frente;
– Não consigo pagar minhas contas em dia, porque meus clientes não me pagam no dia certo…
– Bateram no meu carro na rua, só pode ser a energia do antigo dono…
– Comprei um apartamento e na hora de pegar as chaves parece que deu tudo errado e o que era para ser um momento feliz, se tornou um momento de desespero e nem sei mais se quero aquela tranqueira…
– Estou gorda e não aguento mais ser assim e meus amigos não ajudam, sempre me convidando para fazer passeios que eu sei que não vou conseguir me controlar…

Quantos exemplos mais eu ainda posso considerar como reclamações.

 

E entenda, eu não estou dizendo que suas queixas ou problemas são infundados, mas o que eu quero te convidar: a pensar no outro lado.

 

O lado que está difícil ou quase insuportável de sustentar você já conhece.

 

Eu quero te convidar a olhar o lado das oportunidades.

 

O que você pode fazer pelo seu negócio? Pelos seus relacionamentos? Pelo seu dinheiro? Pela sua auto estima? Pelas suas conquistas?

 

Quando escolhemos reclamar, nossa atenção fica toda voltada para a reclamação e só vamos enxergar e criar oportunidades que alimentem esse padrão.

 

Se eu, euzinha acho que meu negócio está uma droga, porque eu acredito que um milagre vai acontecer na minha frente e fazer as coisas serem diferentes?

 

Se meu relacionamento está uma porcaria, porque eu acho que ele vai ficar legal da noite para o dia?

 

Primeiro, temos que nos responsabilizar pela nossa parte do problema, nossa parte do processo.

 

Como eu acabei cocriando essa realidade para mim?

 

E o que eu posso aprender com ela, apesar de tudo?

 

Além…

 

Quando eu escolho, aceitar a minha condição, mas me responsabilizar por fazer algo para deixar essa condição diferente, nosso cérebro nos mostra outros caminhos que não estávamos enxergando antes.

 

Um exemplo claro: Quando eu decido que quero fazer uma tatuagem X, parece que por força de um milagre, eu só enxergo gente que tem tatuagem. Ou quando quero comprar uma determinada coisa, parece que todo mundo também tem aquela coisa que eu quero.

 

Mágica? – Não.

 

A nossa atenção fica focada no que damos intenção ou força.

 

Para onde eu canalizo a minha atenção, ela vira realidade.

 

Então ao pensar em crise? – Cancele o pensamento e canalize sua atenção para oportunidades e prosperidade.

 

Coração partido? – Cancele e concentre seu pensamento em auto estima e amor próprio.

 

Dificuldade financeira? – Cancele e crie oportunidades de fazer dinheiro.

 

Crie você a realidade que você quer.

 

Já está mais do que provado que reclamar não resolve.

 

Então, faça agora, imediatamente, a sua parte.

 

O Universo, a vida, o cérebro, sua intuição, seu coração, o mundo lhe mostrarão o que você tem que fazer para ser feliz.

 

Experimente e não se esqueça de agradecer!

 

Ser grato também faz toda a diferença!

 

Boa semana!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Tira o sonho do papel e vai ser feliz

Publicado em 26 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Quantos de nós temos sonhos e desejamos deixar a nossa vida mais leve, completa e possível?

 

Conheço pessoas que sabem exatamente o tamanho do seu sonho, mas acabam encontrando dificuldades para trazer ele para a realidade.

 

Te pergunto: Você realmente acredita que seu sonho te fará feliz ou deixará a sua vida mais legal?

 

Caso a resposta seja sim, o que você precisa fazer para que isso aconteça?

 

Muitas vezes ouço que ainda não está na hora, o que falta dinheiro, falta organização, falta tempo, falta um monte de coisas….

 

Mas a única certeza que eu tenho e que ele só vai acontecer quando você colocar a mão na massa e finalmente der o primeiro passo, seja ele qual for…

 

As vezes, a realidade presente não permite, mas para as coisas acontecerem é necessário preparação e planejamento.

 

Ainda não tem coragem?

 

Pelo menos busque novos conhecimentos e sabedoria que podem te preparar tecnicamente para o que é esse sonho. Estude, aprenda, conheça e tenha certeza que tudo o que fizer agora será de grande valia.

 

Não tem ideia de como fazer isso acontecer?

 

Existem empresas especializadas que não cobram um centavo para lhe dar uma consultoria daquelas, como o Sebrae. (Se eu ganhasse um real por

indicação do Sebrae, eu estava muito mais rica, rs).

 

Além disso, converse com pessoas que já passaram pelo que você deseja passar, ou seja, pessoas que conhecem ou tem experiência no negócio que você deseja empreender e aprenda com as experiência delas.

 

Mas se o seu sonho não é um negócio, e sim uma viagem, uma casa, uma família, um novo emprego….

 

Não importa….

 

Para que tudo aconteça é necessário um primeiro passo.

 

Tenha a sua meta clara.

 

Saiba exatamente o que deseja e estipule os passos necessários para que você possa concretizar ele.

 

E tão importante quanto seu sonho é ter paciência e saber que tudo na vida tem o “tempo da semente”.

 

Nada acontece em um piscar de olhos, projetos grandes ou mudanças precisam de tempo, dedicação, cuidado e respeito conosco e com as pessoas que estarão envolvidas e implicadas nesta transição.

 

Mas porque deste texto?

 

Porque a vida é uma só.

 

E eu ouço tantas pessoas com 40 anos de idade dizendo que não são felizes e que não aguentam mais suas vidas do jeito que está.

 

E pergunto, se está insuportável agora, é muito provável que essa pessoa ainda viva mais uns 40 anos, e será que ela consegue se imaginar ter mais 40 anos de insuportabilidade?

 

Se está ruim agora, mude agora!

 

Se não está mais feliz agora, mude agora para ficar feliz!

 

Se a situação não está a seu contento, assuma as rédeas de sua vida e faça acontecer”

 

A vida é uma só e chorar pelo tempo perdido é algo que dói demais.

 

Então, enquanto houver vida, faça a sua valer a pena! E valer muito a pena!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
Feliz por ser a pessoa que eu sou. E você?

Publicado em 24 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Já aconteceu de você acordar de manhã e se dar conta que as coisas estão muito bem obrigado?

 

Quando você se dá conta que a vida está exatamente do jeito que você sempre sonhou?

 

Das coisas que você tem serem exatamente as que você sempre quis ter, como: carro, emprego, família, dinheiro, saúde? e tantas outras coisas?

 

Lá vem: Marilice e suas “Pollyanices”, mas a intenção não é essa.

 

Porque nem todo mundo é verdadeiramente feliz com a vida que tem.

 

Tenho certeza que muitos conseguiriam me dizer pelo menos três coisas que não estão do jeito que queriam, se eu desse um minuto para responder.

 

E isso é uma coisa muito triste, porque a vida existe para ser vivida e experimentada em todas as suas possibilidades, e não para que fiquemos esperando as próximas férias ou feriado para ter um pouco de tempo ou vida para nós.

 

Então, só por agora, eu quero te convidar a se olhar no espelho e se aceitar do jeito que você é.

 

E a intenção do aceitar é te fazer pensar o quão maravilhoso é ser você mesmo.

 

Do jeito que você é.

 

Gordo ou magro;

Alto ou baixo;
Menina ou menino;
Com espinha ou sem espinha;
Cacheado ou liso;
Calça 38 ou 44;
Zona norte ou Zona leste;
Empregado ou desempregado…

O que mais de dualidade você conseguir pensar…

 

No final das contas nada disso importa, por que no mundo inteiro, não existe uma impressão digital igual a sua e isso é uma baita de uma exclusividade.

 

E na nossa tentativa de sermos normais ou nos encaixarmos em padrões ou capas de revista, comerciais de televisão ou seja lá o que for, acabamos nos afastando de quem somos, buscando o padrão de corpo ideal, o padrão de vida aceitável, o modelo do carro mais conceituado, o celular mais caro…

 

Mas no final das contas para que é tudo isso mesmo?

 

Quando olhamos para fora e buscamos algo que nos preencha ou faça sentido, acabamos por nos perder.

 

Olhar no espelho acaba sendo algo que nos traz desconforto por que não é o que vemos na mídia.

 

Mas é o que você é e isso é maravilhoso!

 

E sua vida só faz sentido porque você é assim, sem colocar e nem tirar.

 

Sua risada é assim;

Suas opiniões são assim;

Seus gostos são assim;

Seu coração bate assim;

Você anda assim;

Você trabalha assim….

Tudo isso faz quem você é e tem um lugar e um sentido nesse mundo, mesmo que lá no fundo, te façam acreditar que ainda falta algo.

 

Talvez a falta, motive as pessoas a correrem atrás do que deveria fazer elas felizes ou completas, mas não são coisas que farão isso, e sim a sua aceitação de como se é e o que você verdadeiramente pode fazer para a vida ficar mais interessante e plena.

 

Novamente digo, não com coisas, mas sim com o que se é.

 

Da experiência ir a um parque e apreciar a paisagem;

De uma viagem;
De ver o mar;
De pegar uma estrada e dirigir com o vento no rosto;
De aprender algo que se quer muito;
De trabalhar com algo que se ama…..

 

De estar feliz consigo mesmo pelo simples fato de ser você mesmo, por que no final das contas você se basta, não como soberba, mas como plenitude.

 

E a vida passa tão rápido e se perdermos tempo tentando fazer o que os outros acham que é melhor para nossa vida, acabamo nos perdendo de nosso propósito, do que é a nossa essência e do que é verdadeiramente importante e significado para nós.

 

Então, “´só por hoje”, fique com você, se cuide, pegue leve, ria de você mesmo, faça coisas que você ama, esteja inteiro quem você e o que é de verdade importante e vale a pena que você dê atenção.

 

Esse tempo jamais será perdido, pois quando estamos ligados a nós mesmo, a vida fica plena e leve e sabemos exatamente o que podemos fazer de melhor por ela e por nós mesmo.

 

Tome a sua vida nas mãos e vai ser feliz!!!

 

A vida não espera!

 

CARTÃO DE VISITA
Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Você já falou "eu te amo" para alguém hoje?

 

Publicado em 15 de outubro de 2018 por MariEZ

 

De repente, na correria do dia a dia, sem querer, nos deixamos levar pelas loucura do tudo que tem para ser feito e não pode esperar.

 

Ainda mais hoje, segunda feira, dia internacional do “hoje eu começo”, a gente acaba esquecendo que do nosso lado existem pessoas importantes e esse texto será dedicado a todas elas.

 

Muitas vezes, achamos que temos o direito ou a liberdade de falar o que pensamentos abertamente para as pessoas que são do nosso convívio mais intimo, ou das pessoas que são da nossa família.

 

Mas esquecemos que a liberdade vai até a página dois, pois não é porque convivemos com essas pessoas que temos o direito absoluto de falar, (sem pensar, na grande maioria das vezes) o que nos vem a cabeça.

 

Quantas vezes, por intimidade nos pegamos falando coisas que não gostaríamos de ouvir, como por exemplo:

  • Nossa, você tá comendo demais, daqui a pouco não vai mais caber em roupa alguma;
  • Seu cabelo ficou horroroso, vai dar um jeito nisso;
  • Nossa, eu ainda não sei como é que eu fui me casar com você que é um traste, devia ter te deixado lá atrás;
  • Sua mãe é uma chata / Seu pai é um chato;
  • Sua família parece um encosto;
  • Não acredito que você vai votar nesse candidato, acho que você deve ter alguma outra coisa no lugar do cérebro;
  • Você ainda está namorando aquela tranqueira? – Nasceu para ser sofredor mesmo…
  • E pense na frase que quiser…

 

Mas esquecemos que por trás da suposta intimidade que temos, existe antes uma relação de confiança e que merece sim respeito e equilíbrio.

 

Sim: Toda relação tem que ter um equilíbrio entre o dar e o receber e ofensas geram sim um desequilíbrio, distanciamento, mágoa e silêncio.

 

Então, quando nos vemos diante de situações difíceis, pensamentos que poderíamos ter feito diferente.

 

Poderíamos ter sido mais gentis, educados, amáveis e respeitosos.

 

Mas…

 

Neste caso, te convido a trocar o devemos, e trazemos a responsabilidade para o tempo presente.

 

Esquecemos que tudo nessa vida é balizado pelo tempo e que um dia, pode ser tarde demais para dizer para aquela pessoa, que o jeito de tratar ela, dizia respeito a forma que você se importava, mas a intimidade deixou tudo um pouco sem limites.

 

Então hoje, te convido a dizer para as pessoas que realmente são importantes em sua vida, o quanto elas tem valor, o quanto elas lhe são importantes e caras.

 

O quanto você realmente ama cada uma delas, a sua maneira, mas ama.

 

Hoje, eu te convido a transbordar amor, daqueles que dificilmente oferecemos gratuitamente. Daquele amor que a gente só se dá conta, quando perde ou já perdeu.

 

Então, antes que seja tarde, diga: Eu te amo.

 

Tenho certeza que seu coração e o das pessoas que receberem esse carinho ficarão quentinhos, felizes e emocionados.

 

Experimente!

 

Diga eu te amo hoje!!!!!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 

 
O tempo é recurso não renovável 

Publicado em 1 de outubro de 2018 por MariEZ

 

Segunda feira eu começo a dieta…

Segunda feira eu começo a procurar um novo emprego…

Segunda feira eu vou dar um jeito de tirar essas tralhas do meio do caminho…

Amanhã eu começo…

Mês que vem eu resolvo…

Quando eu conseguir ganhar na loteria a minha vida vai para frente…

 

O que todas essas frases tem em comum?

 

Além do ficar adiando as decisões e se apropriar finalmente de sua vida, ela também fala sobre tempo…

 

Muitas vezes determinados que em algum momento nossa vida poderá ser livre, bela e do jeito que sempre sonhados.

 

E muitas vezes para que isso aconteça, as nossas decisões estão atreladas a outras coisas como: Dinheiro, Pessoas, Imaginação, Mágica ou Tempo.

Quando eu tiver mais dinheiro…
Quando eu tiver uma pessoa assim na minha vida…
Quando aquela situação sair da minha vida…
Quando eu tiver feito tal coisa…

 

E com isso, deixamos a nossa vida nas mãos do que nos escapa, pois o tempo é um conceito abstrato que nos remete a possibilidade de resoluções que não dependem dele e sim de nossas atos e decisões.

 

O que eu estou querendo dizer é que neste momento, o tempo que você tem é o tempo do agora.

 

Você só tem isso na sua vida, o instante presente.

 

E muitas vezes projetamos a felicidade em algo que depende de circunstâncias que ainda não estão ao nosso alcance.

 

Mas é claro, se há uma meta e para que esta meta aconteça, você tem o planejamento e coloca em ação, as coisas mudam o pouco de tom.

 

Por exemplo: Comprar um apartamento para casar… Existe um planejamento e a partir dai a consolidação do pagar e em algum momento pegar as chaves.

 

Fazer um intercâmbio, neste caso, existe data com começo, meio e fim e para isso acontecer, existem as ações que precisam ser tomadas antes, durante e depois.

 

Iniciar uma graduação e se formar depois de cinco anos… Novamente, ações com planejamento e perspectiva de realização.

 

Percebem a diferença?

 

Uma coisa é quando temos metas, mas ao mesmo tempo colocamos elas em ação, para que em um determinado momento possamos usufruir de nossas escolhas feitas no presente.

 

Outra coisa é esperar que magicamente a vida lhe dê o que você quer, em algum momento da sua vida.

 

Então, neste momento, eu te convido a viver o presente.

 

Tudo o que ele te oferece…

 

Com os dois pés no momento agora, experimentando e apreciando tudo o que há para ser vivido.

 

Agora!

 

Porque quando amanhã estiver aqui, você não olhará para trás com a impressão que o tempo passou e você nem sabe o que fez com a sua vida…

 

Tudo o que você tem é apenas o agora!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Deixe seus filhos fora dos problemas do casal!

Publicado em 13 de agosto de 2018 por MariEZ

 

“Um dia, prometemos ficar juntos para sempre, e juramos diante de testemunhas que nos amaríamos e cuidaríamos na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, no melhor e no pior.
 

Mas a rotina e as diferenças ganharam e passaram a perna na gente.
 

O que eu achava lindo em você, agora me dá raiva e nojo….
 

O que você queria de melhor para mim, hoje não faz mais sentido algum.
 

Então: Hoje a gente termina por aqui”. 

 

Mas no meio dessa história de amor, vieram os filhos.

 

Os filhos sempre são o fruto do amor, do momento em que um homem e uma mulher escolheram compartilhar sua melhor parte e trazer um ser para o mundo.

 

E muitos casais, ao terminarem os relacionamento, acabam partindo e deixando fartas por onde passam.

 

Falam mal um do outro, brigam, discutem e desejam coisas que nem nosso inimigo daria conta de experimentar.

 

Muitos desses pais estão entorpecidos em suas decepções e tristezas, assim como rancor e mágoa.

 

Convidam os filhos para fazer parte dessa bagunça e falam mal do ex companheiro, falam mal do que havia entre eles, praguejam, desejam o mal e quase obrigam o filho a odiar o ex companheiro, que não por acaso é um dos progenitores desta criança.

 

Será que já passou pela cabeça dessa pessoa que se para ela, a dor é insuportável e transborda além da compreensão, porque ela acha que uma criança vai poder ser sua confidente e poder ouvir o que há de pior dentro de seu coração?

 

Sabia que filho nenhum precisa saber o que o pai ou a mãe fez?

 

Quando um pai ou uma mãe trai, por exemplo, eles acabam vivendo algo dificil de lidar na dinâmica do casal. Então, eu disse casal…. O que um filho tem a ver com isso? O que o filho precisa saber de detalhes para ter que crescer com essa imagem ou informação dentro de si? O que isso agregará para essa criança?

 

Que pessoa em sã consciência, quer envolver uma criança, um ser que está em desenvolvimento, crescendo, aprendendo, experimentando o mundo sob o olhar da doçura e da inocência, acha que uma criança pode dar conta de tamanha devastação?

 

Os filhos vieram depois, os filhos são os pequenos.

 

Esse assunto é dos grandes, esse assunto diz respeito somente aos pais: Eles fizeram, eles resolvem.

 

Não peça para o seu filho tomar partido ou envolva ele no que está doendo em seu coração. Por amor, ele vai querer lhe ajudar, mas se você não te recursos para dar conta do sofrimento, é desonesto colocar o filho no lugar de resolver esta situação ou dor.

 

Por isso, o que houver de ser resolvido, tem que ser resolvido entre os pais.

 

Poupe seus filhos deste sofrimento e dor.

 

Deixe eles crescerem apenas com as preocupações que competem as crianças, que são brincar, estudar, desenvolver-se e ser um ser humano incrível.

 

Se ele for feliz, tenho certeza absoluta, que você também será!

 

E não se esqueça: Fique bem! Assim seu filho também ficará!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Você cumpre suas promessas de verdade?

Publicado em 16 de julho de 2018 por MariEZ

 

Você já se prometeu coisas, diversas vezes ao longo da sua vida.

– Aquela segunda-feira, que você diz “é hoje que eu começo a dieta”;
– Hoje que eu vou arrumar o meu currículo e mandar ele para aquelas empresas novas, porque eu já tô cansada desse lugar onde eu trabalho;
– Esse namorado ou namorada que eu tenho, eu não sei porque eu ainda mantenho esse relacionamento, porque no final das contas eu passo mais tempo irritada do que realmente sendo feliz e compartilhando uma vida completa a dois;
– Eu disse que ia começar a dieta, não disse?

 

Você se promete coisas e não cumpre.

 

De alguma maneira é como se estivéssemos faltando com a sinceridade conosco.

 

E muitas vezes, percebemos pessoas que se queixam que as pessoas que estão ao seu redor não as respeitam, não as ouvem, não valorizam elas.

 

Mas será que você já parou para pensar que o responsável por isso estar acontecendo pode não ser o mundo e sim você mesmo?

 

Mas como assim?

 

Eu vou criar situações para o mundo e as pessoas me desrespeitarem? Mas que conversa de maluco é essa?

 

Pois é…

 

Quando a gente não cumpre as nossas promessa, ou deixamos de lado nossos interesses, as nossas vontades, e vamos adiando… adiando… adiando…. Sim, isso é uma forma de falta de respeito conosco e sem que consigamos perceber, o mundo entende isso como valor e repete e faz mais disso. Porque a gente deixou.

 

Isso é uma forma de falta de valor.

 

Muitos de nós queremos que os outros sejam sinceros com a gente, mas no fundo nem a gente está sendo sincero com os nossos ideais, nossas verdades, nossos valores, nossos desejos…

 

Nem nós mesmos nos valorizamos de verdade.

 

Então, hoje eu te convido a cumprir suas promessas.

 

Você é a pessoa mais importante do mundo, e a única pessoa que você pode realmente cuidar e se comprometer verdadeiramente com algo.

 

– Se você se prometeu algo: Cumpra;
– Se você disse que ia fazer: Faça;
– Se você falou que ia dar um jeito para resolver a situação: Resolva;

 

E se comprometa verdadeiramente com o que se propôs.

 

O primeiro passo é seu, a responsabilidade é sua.

 

Quando você se compromete de verdade, sua vida vai para frente!

 

Quando você se responsabiliza pelas suas coisas, o Universo devolve!

 

E é incrível, mas as pessoas ao seu redor também mudam!

 

Tudo começa de dentro.

 

Tudo começa em mim: eu sou a pessoa mais importante da minha vida, eu sou a pessoa que tem que se valorizar e se colocar em primeiro lugar: eu tenho que cumprir com os meus acordos, que faço comigo.

 

E sim! A vida devolve e agradece!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Aos meus amores antigos: Obrigada!

 

Publicado em 2 de julho de 2018 por MariEZ

 

Quantos de nós, já nos apaixonamos loucamente por alguém e acreditávamos que aquela história iria durar para sempre?

 

Finalmente os anjos, Santo Antônio, o cupido, seja lá quem for, ouviu as suas preces.

 

E a história de amor perfeita é vivida com toda a intensidade e tudo mais.

 

Você se diverte, vive de verdade essa história, faz planos com esta pessoa, mas…

 

Contos de fadas não existem, e a história de amor começa a ficar estranha e ir para direções e caminhos que não estavam dentro do planejado.

 

O que era lindo, começa a ficar estranho.

A presença vira ausência…

O que era “fofinho”, começa a irritar profundamente…

As mensagens que antes eram trocadas a cada minuto, viram mensagens de bom dia e boa noite e olhe lá…
O que era encantamento cai no desinteresse…

De repente, o que era para sempre chega ao fim.

Estou sendo bem dramática na descrição do texto, para que possamos entender do que se trata a história.

 

Aquela pessoa que você falava todo dia e era a mais importante da sua vida, de repente desaparece e você não quer mais nem ouvir falar ou encontrar.

 

Depois de um tempo, a vida segue e você conhece alguém interessante e refaz a sua vida afetiva, começando um novo relacionamento e se apaixonando.

 

E quando alguém vem e te pergunta do seu ex ou da sua ex, você diz, “pelo amor de Deus, nem me lembre que um dia eu tive a coragem de namorar aquela criatura!!!”

 

Opa…. chegamos a questão central deste texto:

 

Muitas vezes, esquecemos que os relacionamentos antigos, quando terminam de maneira traumática e não são reverenciados, podem repercutir negativamente nos  relacionamentos futuros.

 

Por isso eles devem ser honrados, pois fazem parte da nossa história de vida.

 

A pessoa que você é hoje, também é um pouquinho melhor porque um dia teve a incrível oportunidade de viver essa história no passado.

 

Agradeça de coração por essa história, independente da maneira que ela terminou.

 

Hoje você pode não concordar mais com o que era essa história, mas naquela época era o melhor que você poderia fazer e viver.

 

E tudo bem.

 

A vida anda para frente, e ainda bem que podemos olhar para trás e sermos gratos por tudo o que vivemos lá atrás.

 

Agradeça e inclua essa pessoa no seu coração.

 

Ao fazer isso, você poderá viver intensamente todas as histórias que vierem no futuro, pois você estará em paz com seu coração, em paz com sua história, em paz com a pessoa que você é hoje.

 

Em hipótese alguma, eu estou dizendo que agora você tem que ser melhor amiga ou amigo do ex, se conseguir, isso é perfeito, mas se não consegue, não tem problema, mas o importante é que você não sinta mais tristeza ou rancor ao lembrar dessa história.

 

Ela tem que ter um lugar no seu coração que você consiga lembrar e ficar em paz com você mesmo.

 

Permita-se e se dê esse presente.

 

Ame o seu passado, ame sua história, ame seus erros e acertos, e só assim: Você poderá se amar por inteiro e amar alguém de verdade!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
Gratidão não é modinha

 

Publicado em 18 de junho de 2018 por MariEZ

 

A um tempo atrás eu ouvi uma frase que ficou ecoando no meu ouvido eternamente: Essa coisa de gratidão é modinha.

 

De alguma maneira, acabei voltando no tempo, e acessando memórias de infância em que meus pais me ensinaram a agradecer quando eu recebesse algo que era importante para mim, e também a pedir desculpas quando eu fizesse algo de errado.

 

Pensei que agradecer é algo que se perdeu com o passar do tempo e virou artigo de luxo.

 

Agradecer é mais do que falar para outra pessoa que ela fez algo de bom para você, agradecer diz respeito a valorizar o que há no outro em relação a você, e também no que há de bom em você em relação ao outro.

 

Agradecer é algo que deve ser praticado para tudo o que fazemos.

 

Engraçado, porque reclamar também podia ser considerado uma “modinha”.

 

A minha vida está uma droga,

Esse trânsito está impossível;
Olha só esse metrô lotado;
O meu chefe é um chato;
A minha mãe não me deu amor quando eu queria;
Só estou com o meu namorado por dó;
Olha o cabelo daquela pessoa;
E sei lá mais o que…

 

Falar mal pode, super normal.

 

Imagina você não ter o que reclamar na vida…

 

Agora agradecer…. Agradecer é estranho.

 

Então, neste momento, te convido a tentar agradecer o que é a sua vida.

 

Agradecer as coisas pequenas, as coisas grandes.

 

Sabe de manhã, quando você acorda e se dá aquele café? – Ele merece ser agradecido.

Aquela roupa que você escolheu vestir;

Aquele ônibus ou o carro que te levam para onde você tem que ir;
Agradeça a sua família, mesmo não sendo a que você sonhava, mas é a sua, a que você tem , o sistema ao qual você pertence;
Agradeça pelo dia que nasce, a noite de descanso que chega e assim por diante.

 

Não, eu não estou Pollyana hoje, eu só estou mostrando o outro lado das coisas, quando nos dispomos a agradecer a aproveitar o que é a vida de hoje, o dia e tudo o que está a nossa disposição, mas que esquecemos de olhar e dar um lugar, um valor.

 

Agradecer ou simplesmente ficar feliz pelo que tem.

 

Nas pequenas coisas…

 

Por exemplo, poder fazer uma marmita e levar a comida que você fez para o trabalho.
Poder vestir aquela roupa, com cheirinho de amaciante, que você cuidou, ou cuidaram para você ao lavar;
Tomar banho, e sentir a água cair no seu corpo, aquela água quentinha e que faz sentir bem;

 

Agradecer e sentir feliz pelo que você tem, agradecer e reverenciar a pessoa que você é.

 

Quando você agradece, a vida devolve.

 

Quando você reverencia, a vida entende.

 

Quando você vê, isso diz respeito a você, no final das contas, você está agradecendo a pessoa que você é.

 

Simples assim.

 

Então, começando por agora, o que você tem a agradecer?

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
E hoje é dia de: Faxina Mental!

Publicado em 4 de junho de 2018 por MariEZ

 

Quantas pessoas você conhece, e talvez até esteja incluída nesta estatística, que espera o final de semana para fazer aquela senhora faxina na casa?

  • Arrumar o quarto;
  • A cozinha;
  • Lavar roupas;
  • Passar;
  • Milhares de outras coisas que só conseguimos fazer em casa porque temos um dia dedicado para isso.

 

E a sensação depois de terminar a limpeza é de vitória!

 

Daquelas que temos vontade de não usar a casa com dó de sujar….

 

Outras pessoas também tem o costume de fazer faxina ou organizar os armários, as gavetas, analisando o que ainda pode ser usado, o que não serve mais, o que precisa ser consertado e o que pode ser doado…

 

Até aqui está tudo certo.

 

Mas…..

 

Qual é a frequência que você se dispõe a fazer faxina dentro de sua cabeça ou dentro de seu coração?

 

Quantas vezes ficamos martelando um problema em nossa cabeça ou lembrando coisas que nem tem mais utilidade para a nossa vida atual?

 

Lembranças de alguma relação de amizade ou amorosa do passado que parece um filme de sessão da tarde, que vira e mexe está lá, dando replay.

 

E você no meio de tudo isso.

 

Achando que vai enlouquecer ou não aguenta mais não conseguir tirar essas lembranças da sua memória.

 

A responsabilidade por esta manutenção no sistema mental é sua também, acredita?

 

Da mesma maneira que você tira um tempo para organizar as coisas no mundo de fora, é de primordial importância que você também tire um tempo para se cuidar internamente, na parte mental e na parte sentimental.

 

Uma forma de fazer isso é olhar para a sua história com respeito, carinho e amor.

 

Olhar para si mesmo e agradecer por um dia ter tido a coragem de seguir com aquela história ou negócio, ou seja lá o que foi.

 

Mas que agora, essa história não tem mais lugar no presente, faz parte do passado e deve ficar lá.

 

Como se você pudesse reorganizar as prioridades e dar espaço para o novo, se permitindo viver novas experiências e possibilidades.

 

Para que coisas novas possam chegar, você precisa fazer uma faxina interna, e se livrar de verdade do que não está mais em uso, do que não serve mais, do que está quebrado ou do que não tem mais lugar mesmo.

 

Eu aprendi um exemplo, um dia desses, e agora gosto de repetir: No celular quando ele está com memória cheia, fica impossível instalar um novo aplicativo. Desta maneira, precisamos limpar a memória para liberarmos mais espaço para o novo.

 

Assim funciona a nossa vida em todos os seus aspectos.

 

Para que o novo venha, precisamos nos livrar do velho.

 

E quando fazemos isso por nós mesmos, a vida nos oferece novas possibilidades e caminhos.

 

Para saber isso, você terá que fazer a sua parte…

 

Garanto que valerá muito a pena.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 

 
Quando você sabe que é a hora de parar?

Publicado em 21 de maio de 2018 por MariEZ

 

De repente a vida te manda um sinal.

 

Mas no meio da correria, do dia a dia e das milhares de coisas que precisam ser entregues e realizadas, deixamos passar o que pode ter sido uma voz da vida falando: “Vá devagar” ou “Está na hora de parar, não está?”.

 

Você diz a si mesmo: “Até parece que eu posso me dar ao luxo de me dar uma folga, porque se eu não fizer as coisas, ninguém vai fazer”.

 

E assim vão se passando os dias, até que chega uma hora que as coisas ficam absurdamente impossíveis de resolver.

  • O carro quebra;
  • O resfriadinho vira uma gripe;
  • O cheque que tinham que depositar mês passado não caiu e você entra no cheque especial;
  • O seu chefe te pede um trabalho que você não tem nada a ver com a história, porque o seu colega de trabalho faltou;
  • Nasceu três espinhas na ponta do seu nariz (porque eu estou falando de drama!);
  • Teu namorado te pede um tempo e te bloqueia em todas as mídias sociais;
  • O que mais você achar que pode ser incluído na lista…

 

Nessa hora você fica irritado, chateado, querendo matar um que passar na sua frente.

 

Mas, a responsabilidade pelo que está acontecendo é boa parte sua.

 

E sabe por que? – Você não entendeu os sinais, que nem eram do universo, ou algo mágico, eram os sinais racionais e lógicos, mas que você deixou de lado ou não quis ver.

  • Aquele barulhinho quando você pisava no freio não era efeito sonoro do freio, era ele avisando que estava para acabar;
  • A dor nas costas, a coriza, a tosse, você achou que dava para curar com suco de limão;
  • Você foi gastando o dinheiro e esqueceu de conferir o extrato para ver se estava tudo em ordem;
  • O seu colega jã não está nem ai para o trabalho faz tempo e você sabia que ele ia sair para fazer uma entrevista de emprego;
  • No estresse do dia a dia, você comeu todos os brigadeiros que tinha direito justo na semana que estava para menstruar;
  • Ele já estava pedindo um espaço e demorando eternidades para lhe mandar mensagens e estar presente;
  • O que mais você achar que pode ser incluído na lista…

 

Neste caso, você esqueceu de olhar para si mesmo e perceber que as respostas, estão todas ao seu redor.

 

Mas faltou tempo, faltou tanto, faltou interesse da sua parte em se responsabilizar por algo que só você pode fazer que é cuidar de si mesmo e cuidar da sua vida.

 

Ninguém vai fazer isso por você, por mais especial e querido que você seja no mundo inteiro.

 

Cada ser humano é responsável por si mesmo, independente do que aconteça.

 

Algumas pessoas precisam de atenções diferenciadas e cuidados por conta de condições de saúde ou necessidades que tenham, mas mesmo assim, elas também respondem por seus atos, tendo ou não consciência disso.

 

Então, entenda seus limites, respeito seus tempos, suas vontades, seus horários, os sinais lógicos ou intuitivos, mas tente se conectar um pouco mais a você mesmo e a sua vida.

 

Lembre-se: Você estando aqui ou não, o mundo continuará a girar, então, cuide de sua vida, faça o melhor por você e o mundo com certeza poderá ser um mundo bem melhor.

 

Marilice Everton Zanato

Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
http://www.mezpsicologia.com.br

 
Você já agradeceu hoje o emprego de ontem?

Publicado em 23 de abril de 2018 por MariEZ

 

Uma coisa que acontece com uma certa frequência e que a maioria de nós não se dá conta é a nossa relação com o trabalho.

 

Quando começamos a trabalhar em uma empresa, expectativas, desejos,tudo gira em torno desta nova oportunidade que se apresenta.

 

Queremos ser remunerados de maneira adequada, desejamos que a nova equipe esteja alinhada os nossos valores e intenções de trabalho e que tenhamos bons momentos neste ambiente que nos dá uma nova oportunidade de desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional.

 

A maioria de nós até começa a trabalhar na empresa com alegria, satisfação e envolvimento com a rotina ou as coisas que vão sendo ensinadas para nós.

 

Mas, com o passar do tempo, algumas pessoas acabam se desmotivando ou se deixando de lado e começam a reclamar do trabalho, do ambiente da empresa, do salário, de tudo que um dia foi acordado e aceito em entrevista.

 

E neste momento, muitos de nós acabamos desvalorizando o que temos e queremos trocar de emprego, de atuação profissional, achando que trocando de lugar as coisas serão diferentes.

 

O fato é que: em qualquer lugar que estejamos, se o nosso coração não estiver inteiro e verdadeiramente alinhado com o que é melhor para nós, você pode estar no lugar que sempre sonhou, mas estará distante de você mesmo.

 

Você pode sim trocar de emprego, mas o problema não é o lugar e sim a maneira como você lida com as questões.

 

Não estou dizendo que não existem ambientes de trabalho insuportáveis, e sei que problemas acontecem diariamente, mas a questão é como você lida com esses problemas.

 

Prefere reclamar ou tentar perceber o que esta oportunidade está querendo lhe ensinar ou melhorar em você mesmo?

 

Minha sugestão é que você olhe para todas as suas experiências de trabalho anteriores e inclusive a atual e agradeça.

 

Como assim agradecer?

 

Olhe com respeito para tudo o que foi aprendido, tudo o que foi enriquecido, tudo o que também não foi bom, mas você aprendeu a fazer diferente ou aprendeu que não deve ser feito.

 

Olhe para seu passado com carinho e respeito.

 

Olhe para aquelas pessoas que também não eram as suas prediletas ou com quem você teve problemas.

 

Agradeça todas as oportunidades, independente do que houve, pois todas elas te prepararam para o que você é e faz hoje.

 

Quando honramos e damos um lugar em nosso coração para tudo o que já fizemos e passamos um dia, respeitamos o nosso lugar no mundo e respeitamos quem somos também.

 

Outra coisa importante para ser dita: o que passou passou. Não carregue mágoa, ressentimentos em relação a ex-chefes, ex-colegas ou até promessas que foram feitas e não foram cumpridas. Passou, isso não te pertence mais.

 

A vida segue adiante, e ficar preso a uma promessa de passado só faz a sua vida ficar estagnada e pobre de possibilidades.

 

A partir de agora, pegue o seu currículo, escreva com cuidado, carinho e respeito tudo o que você já fez na sua vida profissional.

 

Conte para os empregadores cada uma das empresas por onde você já passou um dia.

 

Algumas pessoas às vezes não querem colocar uma experiência por ter sido muito curta ou por não ser uma empresa que tenha relevância no mercado, mas não faça isso, todas as empresas por onde você esteve são importantes pois elas tornam você o profissional que você é.

 

A experiência foi rápida, a experiência foi longa, não importa!

 

Ela faz parte da sua história e sempre que olhamos para trás com carinho e respeito pelo que já passamos o nosso campo, o nosso sistema, nos devolve isso de maneira a estarmo alinhados com que é melhor em relação ao que podemos realizar e o que estamos preparados para oferecer.

 

Verifique se existe alguma coisa em seu coração que ainda vibra raiva, rancor e diga para você mesmo: "tudo bem, isso tudo está no passado".

 

Ou seja no próximo emprego permita-se novas experiências olhe para trás com carinho e respeito, siga adiante o seu propósito, dentro do que você acredita que é o melhor que você pode fazer e oferecer.

 

Honremos nossa história independente do que tenha acontecido.

 

Devemos agradecer o que um dia houve de ser, agradecer o que é hoje e agradecer pelas oportunidades que poderá surgir a partir que eu me reconheço e valido tudo o que há em mim de bom e também o que há para ser desenvolvido e aprimorado.

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 
Você já deixou de fazer algo por causa da opinião de outras pessoas?

 

Publicado em 23 de abril de 2018 por MariEZ

 

Já aconteceu de você querer muito uma determinada coisa em sua vida, daquelas que você sabe que lhe farão absurdamente feliz, mas deixou de fazer por conta do olhar ou opinião de outras pessoas?

 

Ou até mesmo nem considerou ir ou fazer pela possibilidade de como você seria visto pelo mundo?

 

  • Mas o que vão falar de mim?
  • Se ficarem olhando para mim?
  • Se deixarem de falar comigo?
  • Se me ignorarem?

 

Então, o que você está querendo fazer ou ter não tem uma verdade para você uma vez que o que o outro pode considerar tem muito mais relevância do que seu desejo em si.

 

Agora te pergunto: e dai se falarem? E dai se olharem?

 

E dai?

 

Quanto tempo perdemos tentando bancar algo que não é nossa verdade ou a nossa essência porque a sociedade vai pensar ou falar o que de mim….

 

Com uma certa frequência me deparo com pessoas que criticam seus corpos, criticam suas conquistas e ficam buscando formas de esconder isso para que outras pessoas não possam perceber ou notar determinada coisa.

 

E o esforço para esconder isso é tão grande, que a pessoa acaba esquecendo de voltar a olhar para si mesma com os olhos do amor.

 

Por exemplo: Pode ser que eu deixe de usar um determinado tipo de roupa, pois tenho vergonha de alguma parte do meu corpo. Mas o meu corpo é perfeito do jeito que ele é. Eu só sou o que sou, porque aquele corpo é meu e me representa, goste eu ou não. O fato de eu ficar me criticando, não vai fazer aquela determinada parte ficar do jeito que eu gostaria, e muito pior, o fato de eu criticar essa determinada parte e falar para as outras pessoas notarem, não mudarão minha realidade.

 

Os olhos com críticas são os nosso piores inimigos. E esses olhos são nossos mesmos.

 

Então aceite: O seu corpo é assim. E está tudo maravilhosamente bem.

 

Porque damos tanta importância para o que os outros pensarão ou acharão de nós?

 

Se a vida é sua, porque dar tanta importância para o olhar ou a crítica do outro, que no final das contas, só diz respeito ao que ela pensa.

 

Tem pessoas que gostam de doce, tem pessoas que gostam de salgado. E tudo bem…

 

Tem pessoas que gostam do dia e tem pessoas que gostam da noite. E tudo bem.

 

Tem pessoas que gostam da praia, outras que gostam do campo…. E tudo bem.

 

O meu corpo é do jeito que é…. Eu olho ele nos espelho e tudo bem.

 

Ele é perfeito do jeito que é.

 

As minhas escolhas, são perfeitas, do jeito que são.

 

O fato de alguém concordar ou não, não tem importância, por que no final das contas, quem vai arcar e bancar a decisão e a escolha: Sou apenas eu.

 

Então, vou viver minha vida e o que os outros acham, não importa mais.

 

Liberte-se!

 

Marilice Everton Zanato
Psicóloga – CRP. 06/80972
Fone: (11)-9-6989-0331
marilice@mezpsicologia.com.br
www.mezpsicologia.com.br

 
Você está presente?

Publicado em 19 de março de 2018 por MariEZ

 

Quando você acorda pela manhã, qual é a primeira coisa que lhe passa pela cabeça?

 

Muitos de nós temos a tendência a reclamar, porque queríamos ter mais algum tempo para dormir ou levantamos apressados para dar conta das coisas que precisam ser resolvidas durante o dia.

 

Tudo começa com o café da manhã que as vezes é apressado.

 

Organizar as coisas para não perder a hora;

 

Pegar um trânsito básico para deixar o dia ainda mais interessante….

 

Depois coisas para ir resolvendo no trabalho, ou as atividades do lar, reuniões, banco, relatórios, faxina, cuidar das crianças, falar com o pessoal sobre a internet, reclamar sobre alguma coisa que tinha de ser resolvida e não foi, fofocar, almoçar, ir para a academia, fazer jantar, lição de casa das crianças, comprar coisas para o dia seguinte, lavar roupa, lavar louça, dar banho nas crianças, dar um recado para o esposo que esqueceu de dar, comprar os ingressos para aquele filme que você não quer perder a estréia, dar ração para o cachorro, limpar o cantinho do cachorro….

 

E nesta lista, inclua outras milhares de coisas que você ainda tem que fazer e que eu nem considerei como possibilidade.

 

Só de ler já cansou.

 

Certo?

 

Então, voltamos ao inicio do texto e te pegunto novamente: Quando você acorda de manhã, você se lembra de olhar para si mesmo e estar presente?

 

Para que possamos estar inteiros e comprometidos verdadeiramente com todas as atividades que nos obrigamos e impomos a realizar todos os dias, é necessários que estejamos do nosso lado.

 

A presença diz respeito a você estar inteiro e comprometido com o que faz, de maneira que ao chegar ao final do dia, você não fique com a impressão que o tempo passou e você não resolveu nada, ou pior, o dia passou e você nem percebeu.

 

Isso só acontece porque você não estava com você, não estava ao seu lado.

 

Sabe quando você sai de casa e não consegue se lembrar se fechou a janela ou se trancou a porta? – É sobre isso que estou falando.

 

Os pensamentos estão a mil, e você faz as coisas tão no automático que esquece de perceber o momento.

 

Quando você está comendo um doce que gosta muito, quanto você realmente está desfrutando deste momento?

 

Aliás, quais são os momentos que você está inteiro com você mesmo e aproveitando cada momento?

 

Isso é estar presente.

 

É apreciar, aproveitar e usufruir do momento que você tem inteiro, fazendo cada uma das coisas que você tem que fazer, mas no momento presente.

 

O que temos é somente o aqui e o agora.

 

Desta maneira, não há o que tentar avançar no tempo, assim como também não temos como recuperar o tempo perdido.

 

Mas quando estamos presentes, quando estamos inteiros, quando estamos no aqui agora, percebemos a vida de uma maneira mais calma, mais possível e mais nossa.

 

Mesmo que tenhamos de usar o nosso tempo para fazer algo que nem gostamos tanto, a experiência poderá ser enriquecedora, pois inteiro, tudo tem um sentido e um valor diferente.

 

Aproveite o tempo que você tem agora, aproveite a vida que você tem agora, aproveite o minuto que é inteiro seu agora.

 

A vida não costuma dar segundas chances para estarmos presente duas vezes, então use a sua chance agora, ela é só sua.

 

Viva o que só você pode viver, sentir e aproveitar!

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Porque não ficam felizes com as minhas conquistas? 

Publicado em 11 de julho de 2017 por MariEZ

 

Já aconteceu de em algum momento da sua vida, você se dedicar, fazer uma coisa com todo o capricho, dedicação, carinho… Dar o seu melhor.

 

Pode ser algo que você queria há muito tempo e finalmente conseguiu comprar; pode ser a conquista de um emprego bacana; um amor que você já estava paquerando há certo tempo; pode ser qualquer coisa que tenha muito valor para você, não importa o que seja.

 

E em um determinado momento você decide que vai contar para uma pessoa que você considera importante em sua vida, querendo dividir com essa pessoa toda a sua alegria, contentamento e conquista!

 

Mas como se fosse qualquer coisa, essa pessoa vem e não demonstra um terço da empolgação em relação ao que você diz ou mostra.
Em alguma situações, a pessoa faz uma cara ou um comentário tão nada a ver, que você chega a se questionar se aquilo realmente tinha tanto valor ou era importante.

 

Chega até mesmo a dar uma vergonha interna por estar feliz.

 

Você já passou por isso?

 

Então…

 

O problema não é você!

 

O problema não é sua conquista!

 

O problema talvez nem seja essa pessoa, que talvez você preciso reconsiderar o motivo pelo qual ela faz parte na sua vida (E isso pode dar um outro texto).

 

Talvez a questão seja você dar importância demais para pessoas, que pelo que parece, não se importam de verdade por você.

 

Não é correto esperar que outras pessoa validem a sua conquista, as suas vitórias e as coisas que você sonha ou deseja.

 

De repente é como se a vida só fizesse verdadeiro sentido quando outras pessoas podem compartilhar com você a sua alegria, o que na realidade não é o correto.

 

A sua felicidade deve ser comemorada por você, vivida e experimentada em toda a sua plenitude, primeiro por você! Só você sabe o que é bom para você!

 

E se outras pessoas demonstrarem ou fizerem por onde, para poder compartilhar com você de sua conquista, melhor para você e para elas, mas se elas não sabem, entendem ou podem ficar felizes com o que você conquistou: Reconsidere, suas necessidades de auto afirmação através do olhar ou da aprovação dos outros.

 

Reconsidere quem são realmente essas pessoas que estão ao seu redor.

 

Reconsidere o lugar que você quer ter em sua vida e na vida de outras pessoas!

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Psicóloga faz terapia? 

Publicado em 30 de maio de 2017 por MariEZ

 

(Esse é um texto diferente dos outros que eu já escrevi. Vai parecer mais um depoimento, então peço que você abra seu coração para lê-lo, pois foi exatamente isso que eu fiz ao escrevê-lo.)

 

Conversando com algumas pessoas, acabei comentando que eu faço Psicoterapia.

 

Nesse momento, parecia que eu havia revelando um segredo, mencionado algo proibido, daquelas coisas que nós nunca, em hipótese alguma deveríamos profanar em voz alta.

 

Eu fiquei um tempo sem entender o que na verdade estava acontecendo.

 

Foi quando me dei conta: porque a pessoa me contou que ela achava que psicólogos não precisavam fazer terapia.

 

Nesse momento me dei conta do tamanho da responsabilidade do que eu havia falado.

 

“E a cabeça foi longe….

 

Sou um ser humano, habito o planeta terra, moro em uma cidade civilizada…

 

Faço parte de uma família, me relaciono em sociedade e com pessoas, trabalho com pessoas…

 

Como parte dessa população, eu trabalho, estudo, me divirto, me relaciono, faço coisas e de vez em quando acontecem problemas, crises existenciais, devaneios criativos…

 

Eu choro, tenho dor de barriga, fico triste, fico feliz, me apaixono, me decepciono, tenho planos… quebro a cara, rs…

 

E a vida segue adiante…

 

E de vez em quando, tudo isso dá uma bagunçada básica dentro da cabeça, no coração…

 

Então faço terapia sim!

 

Porque eu também tenho questões que precisam ser pensadas, significadas, resignificadas, e a partir desta perspectiva de perceber que eu também sou uma pessoa como outra qualquer, percebo que posso oferecer sim a minha melhor parte para as pessoas que se colocam a disposição para fazerem parte da minha vida através da Psicologia, ou seja, meus pacientes.

 

Para que eu possa estar inteira, integrada, com pensamentos, teorias, conhecimentos e parte do meu coração durante uma sessão em que escolho ser psicóloga, e oferecer essa melhor parte para cada uma dessas pessoas, eu preciso sim estar bem comigo! Eu preciso sim entender meus problemas e minhas questões… minhas tristezas e minhas manias. 

 

Desta maneira, eu considero que terapia é importante para qualquer pessoa que esteja efetivamente buscando novos lugares para si mesmo em seu universo particular.

 

Considero sim importante estar bem e cuidando das minhas questões, para poder trabalhar de maneira sincera e inteira com meu paciente ou com qualquer outra pessoa que queira entrar no meu consultório.

 

E sim! É uma forma também de valorizar a profissão que eu escolhi para mim! Se eu confio em um profissional para dar conta das minhas questões, posso oferecer isso para as pessoas que me procuram: confiança e respeito.

 

“Porque quando a gente se cuida, o mundo fica melhor!”

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Peque leve com você

Publicado em 9 de maio de 2017 por MariEZ

 

Por que quando um amigo ou alguém que temos carinho e apreço faz alguma coisa e ela não sai como o planejado, temos por costume dar um conselho ou falar que tudo bem? Que vai dar tudo certo?

 

Quando acontece com o outro costumamos relevar, pegar leve, falar que tudo bem… Mesmo que não esteja tudo bem.

 

Mas quando acontece com a gente, o que fazemos?

 

Tem gente que tem a habilidade de se deixar ainda mais para baixo, punindo-se, rebaixando-se e até humilhando-se.

 

Como foi que eu deixei isso acontecer comigo, como foi mesmo que eu fui fazer essa bobagem?

 

O que os outros vão pensar de mim?

 

Mas calma ai… Com o “coleguinha” você disse que tudo bem e com você não é igual?

 

Então cabe pensar que se estamos errando e porque em algum momento tivemos a coragem de seguir adiante, de experimentar ou fazer algo e que por algum motivo qualquer, querendo ou sem querer, erramos.

 

E tudo bem errar!

 

Está tudo bem em alguns momentos fazer alguma coisa errada, pois é a partir do erro que revemos nossas habilidades, reconsideramos nossos conhecimentos, revemos nossas intenções e desejos. Até mesmo repensar se estamos no lugar certo ou fazendo o que efetivamente queremos fazer.

 

As vezes o erro acontece para nos mostrar alguma coisa.

 

Podemos estar sobrecarregados e errar nos mostra que é hora de rever as tarefas; podemos errar porque simplesmente não estamos mais conectados com a atividade ou o que realizamos, e talvez seja um indicador que temos que mudar ou fazer diferente.

 

Nada acontece a revelia em nossa vida, tudo tem um motivo e nos orienta para o melhor que cada um de nós pode oferecer para ela, mas acima de tudo para nós mesmos!

 

Então a dica de hoje é: Pegue leve com você.

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Tenham dó de mim

Publicado em 2 de maio de 2017 por MariEZ

 

Quantas pessoas você conhece que conseguem te deixar com dó delas?

 

Sem querer, algumas pessoas acabam se colocando nesta condição de se rebaixar, se humilhar, se colocar abaixo e se fazer de vítima… Sim! Fazer de vítima para tentar conseguir coisas, sejam elas materiais ou afetivas.

 

Uma maneira burra de conseguir as coisas, uma vez que cada pessoa tem condição de fazer as coisas acontecerem.

 

Existem pessoas que nasceram com mais recursos financeiros, outros nasceram em famílias com recursos escassos.

 

Existem pessoas que estudaram mais e outras que nunca estudaram…

 

Pessoas que já tomaram porradas absurdas da vida e outras que nunca passaram por problemas graves…

 

E até ai tudo bem.

 

Quero dizer que independente da condição, todos nós temos capacidade e condições para fazer a vida ficar melhor, a vida nos oferecer coisas melhores.

 

Estou pensando em uma conversa que tive outro dia com uma pessoa me dizendo que ninguém mais procurava ela para comprar os serviços que ela oferecia e que ela estava procurando alguém para ajudar ela, mas não ajudar a se resolver, ela queria alguém para fazer as coisas por ela.

 

E é ai que mora o perigo!

 

Vamos pensar sob outra perspectiva.

 

Se você não acredita no que você faz, se você não acha que o serviço ou trabalho que você faz vale dinheiro, vale alguma coisa… Se você não se acha digno de ter um relacionamento bacana, um emprego bacana, se você não se acha digno de ser respeitado por amigos, familiares ou seja lá quem for…

 

Se você está passando essa mensagem para o mundo e para a vida, porque você acha que a vida ou o mundo vão te oferecer coisas diferentes?

 

Se você se trata mal, porque acredita que outras pessoas vão poder lhe suprir isso e lhe oferecer o contrário?

 

Se você plantar maçã, porque acha que vai colher banana?

 

Tudo, absolutamente tudo na vida é assim: Você obterá exatamente a medida do que está investindo em cada coisa que lhe diz respeito e tudo ao que está ao seu redor.

 

Se você quer uma vida diferente, tenha certeza absoluta: Ninguém vai pegar na sua mão e te dar isso.

 

A caminhada é sua, a vida é sua, a escolha é sua…

 

Então… o que vai ser?

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Como aceitar o sucesso em minha vida?

Publicado em 25 de abril de 2017 por MariEZ

 

Hoje a reflexão diz respeito a como nos posicionamos diante de situações que nos colocam diante do sucesso.

 

Mas antes, pergunto: O que é sucesso para você?

 

Sucesso pode ser você conseguir acordar e chegar no horário no trabalho. (Aqui em São Paulo isso pode ser sucesso sim, levando-se em consideração o trânsito).

 

Sucesso pode ser conseguir eliminar quilos indesejados; conseguir um emprego bacana; comprar alguma coisa que você queria há bastante tempo; sucesso pode ser conquistar aquela pessoa especial e que pode fazer a diferença na sua vida.

 

Enfim, sucesso é uma coisa individual e que tem relevância e importância para cada pessoa.

 

O que eu considero sucesso é diferente do que você considera e até ai tudo bem. Não tem ponto a ser discutido.

 

Esses dias estive conversando com uma pessoa que está neste caminho… Descobrindo seus próprios potenciais, seus desejos, suas intenções e o lugar que deseja ocupar.

 

Nesta divagação sobre o que é ou não relevante, o primordial veio efetivamente para a realidade: Qual lugar eu quero ocupar na minha vida e a partir desta perspectiva o que pode ser considerado o lugar do sucesso para mim.

 

Acabei pensando que muitos de nós somos ensinados a lidar com a desistência ou fracasso de uma maneira muito mais natural do que com o sucesso.

 

Quando perdemos alguma coisa ou nos decepcionamos, quem está ao nosso redor está pronto para nos dar algum tipo de apoio, alguma frase pronta e sem querer, nos acostumamos com isso.

 

Como se não ter o que queremos ou fracassarmos fosse algo mais do que esperado e até mesmo natural.

 

Mas quando conquistamos algo de valor, que pode ser considerado como sucesso, alguns de nós tomamos medidas como:

  • Melhor não contar para ninguém, pois podem colocar “olho gordo”;
  • E se eu mostrar para as pessoas e depois der errado?;
  • E se as pessoas acharem que eu estou sendo soberba ou metida?
  • Se eu mostrar para as pessoas e elas não aprovarem?
  • E assim por diante…

 

Quando o sucesso vem, muitos de nós temos dificuldade para encará-lo de frente, simplesmente porque não estamos acostumados a ele, e quando ele acontece, nos sentimentos “não merecedores” e esquecemos de nos curvar diante dele e agradecer, porque ele é uma parte de nós, ele é uma parte de algo que trabalhamos para realizar.

 

Ter sucesso é reconhecer que temos competências e habilidades que fazem parte de cada um de nós e deve sim ser vista, valorizada e honrada, não pelos outros, mas por nós mesmos.

 

Se eu não me considerar boa em algo que eu sei que eu faço bem, quem vai fazer isso? – O outro? – Que está alheio a tudo o que eu fiz, estudei, me aprimorei, dei o meu melhor para fazer acontecer?

 

Então se um dia essa pessoa for embora, eu vou precisar procurar novas pessoas que validem esse meu ponto forte para a vida ter sentido e as coisas continuarem encaixadas?

 

A resposta é uma só: Não!

 

Nós não precisamos da opinião ou validação de ninguém para ter sucesso!

 

Ele é uma parte de nós e todos temos isso conosco. Alguns conseguem acessar com mais facilidade do que outros, mas não tem problema.

 

Então, valorize-se! Veja o que você faz de melhor e faça valer a pena!

 

Faça primeiro por você! Dê o melhor primeiro para você! Sinta prazer e plenitude fazendo isso primeiro para você!

 

E quando tudo estiver bem em você, o que o mundo ou as pessoas disserem a respeito disso, já não vai fazer tanta diferença.

 

Sabe por que? – Porque você descobriu que só uma pessoa importa para você na sua vida, e essa pessoa é você!

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Qual o  nível do insuportável que temos que aguentar em um emprego? 

Publicado em 18 de abril de 2017 por MariEZ

 

Quantas vezes começamos a trabalhar em uma empresa que era o nosso sonho, mas com o passar do tempo acaba se transformando em um grande pesadelo?

 

Esses dias eu estava conversando com uma pessoa que me descreveu com requintes de detalhes o sofrimento que estava enfrentando em uma equipe. Assédio, exclusão, humilhação e essa pessoa estava a ponto de surtar, pois não tinha vontade alguma de ir trabalhar.

 

Lembrando que no momento que somos contratados por uma empresa, ela paga pelo nosso conhecimento e aceitamos as condições. Mas muitas vezes esquecemos que iremos lidar com pessoas e muitas empresas acabam se esquecendo deste fator primordial: Pessoas.

 

Mas para não fugir ao tema, fiquei me perguntando: o quanto temos que aguentar em um ambiente de trabalho?

 

Quantas pessoas enfrentam diariamente seus martírios, lidando com situações estressantes, assédio sexual ou moral, humilhação, falta de respeito, entre tantas outras questões desagradáveis porque precisam do emprego?

 

Desde quando temos que aceitar situações vexatórias por conta de remuneração ou de necessidade?

 

Essa com certeza não é uma resposta fácil, porque dependemos sim de dinheiro para viver ou sobreviver.

 

Então, a reflexão que fica é que as empresas precisam ficar atentas a seu capital humano, uma vez que para que este profissional possa realizar o seu trabalho com efetividade, ele precisa ser treinado, acompanhado e desenvolvido, tanto técnica como comportamental.

 

Quantos afastamentos ou desligamento acontecem diariamente por conta de um ambiente de trabalho hostil ou inadequado. Quantos potenciais se vão todos os dias por problemas com equipe ou até mesmo gestão?

 

Desta maneira, neste caso pontual, cabe a cada um de nós fazer uma reflexão sobre o nosso papel na empresa e se estamos cumprindo como o contrato de trabalho no que diz respeito a direitos e deveres.

 

E em um segundo momento, cobrar de nossas gestores a responsabilidade no que diz respeito ao que pode ou deve ser feito para que todos saiam ganhando na empresa.

 

Lembre-se: Se a empresa em que você trabalha crescer, as chances de você ir com ela são reais.

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Freud - 160 anos 

Publicado em 6 de maio de 2016 por MariEZ

 

Imagine um homem a frente do seu tempo?

 

Imagine uma pessoa que teve a coragem de colocar para o mundo seus pensamentos e conhecimentos, por mais incoerentes e diferenciados que pudessem parecer para aquela época?

 

Com um universo interno além do que as palavras podiam recobrir e a frente do seu tempo…

 

Com uma mente inquietante por pensamentos de descobrir o que se passava no universo humano.

 

Talvez fosse uma tentativa de entender a si mesmo. Um homem que deve ter se sentido desencaixado da vida, ou do que esperavam dele?

 

Será que ele tinha esses questionamentos? Será que ele se sentia assim?

 

Agora não importa mais…

 

Apenas agradeço por um dia esse homem ter se dedicado a estudar a mente humana, dentro de suas perceptivas fisiológicas e além do que ele podia explorar no que a medicina tinha de melhor para explicar.

 

Freud… você esteve aqui há muito tempo, e foi tão longe que até hoje é referencia no que se propôs a explicar e entender.

 

Muitas pessoas dizem que suas teorias estão defasadas, e isso é muito bom de ser ouvido, pois sim, as teorias devem ser renovadas pois o mundo é exatamente isso, uma renovação constante, diária e eterna.

 

Mas não podemos deixar de reverenciar quem foi um dos precursores, que soube enxergar além e profundamente no universo da mente humana.

 

Freud, fica aqui minha homenagem, meu respeito e devoção a suas teorias e tudo o que você abriu de caminhos para que nós, estudiosos e amantes da mente e dos seres humanos. Para que possamos colocar em prática diariamente em nossas profissões, vidas e questões pessoas também, para muito além da vida…

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
Auto imagem - o que você está vendo no espelho?

Publicado em 4 de maio de 2016 por MariEZ

 

Todos os dias, milhares de pessoas se deparam com alguma questão relacionada a sua imagem corporal.

 

Uma pergunta simples: Você gosta da imagem que você reflete no espelho? A imagem integral, sem tirar nem pôr, sem querer ter nada diferente.

 

Muitos de nós, se houvesse uma oportunidade, faria algum tipo de modificação, para se sentir mais seguro, mais confortável, mais feliz.

 

Alguns iriam além e diriam que uma mudança poderia trazer mudanças na forma de se relacionar com o mundo, garantindo aceitação do grupo, segurança para seguir a vida adiante, além de diversos outros fatores, pois a lista é extensa.

 

Hoje, assisti o vídeo da Daiana Garbin, no canal “Eu Vejo”. e ela me fez pensar sobre esta questão.

 

Eu tenho por costume fazer uma análise sincera e objetiva e me pareceu um registro honesto de uma pessoa que durante a vida inteira vem sendo desafiada pelos transtornos relacionados a imagem corporal.

 

Imagine a quantidade de pessoas que passam por este exato problema todos os dias, e não conseguem falar a respeito.

 

Mas a questão é muito mais complexa, pois ela não escolhe endereço, classe social, idade, gênero ou cor da pele. Ela simplesmente acontece.

 

E a coragem para falar sobre esse assunto faz pensar que é exatamente isso que deve ser referenciado.

 

Quantas pessoas começam a evitar situações colocando a culpa na imagem corporal. Ou talvez pior, colocando a possibilidade de uma felicidade no futuro, quando esta problemática estiver controlada ou até mesmo resolvida.

 

Por exemplo, no dia que eu tiver tantos quilos, eu poderei usar aquela roupa e andar com segurança por ai. Ou, no dia que eu tiver tantos quilos, poderei ir à praia e me sentir bem comigo mesma. E por aí vai.

 

A grande reflexão que esse texto tenta abordar é de que o nosso corpo é único. Não se compare com ninguém, por mais que você acredite que aquela pessoa que você tem como referência parece ser bem sucedida e feliz.

 

A sua vida é única, o seu corpo é único, a sua história é única.

 

Se olhe no espelho, aprenda a tirar o melhor das curvas ou artifícios que só o seu corpo tem.

 

E goste de que você está vendo, acima de tudo, porque você é perfeito (a) do jeito que é!

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa 

 
O que faz um psicólogo?

Publicado em 8 de abril de 2016 por MariEZ

 

Psicólogo é aquela pessoa que te recebe no consultório e se coloca a disposição para caminhar junto com você. Mas é um caminhar diferente, quando suas emoções, sentimentos e pensamentos serão sinceramente ouvidos e acolhidos, respeitados e envolvidos pela atenção, por uma escuta ativa e por palavras que poderão lhe auxiliar nesta caminhada.

 

Não é papel do psicólogo lhe dar palpites ou dizer o que você deve ou não fazer da sua vida, até porque já existem amigos, familiares e outras pessoas que já devem fazer isso com perfeição, não é mesmo?

 

Psicólogo, é aquela pessoa que estudou bastante e com certeza ainda estuda muito, para poder lhe entender e acima de tudo respeitar e não julgar, porque cada pessoa é única. Cada história e trajetória é individual e cada resultado depende do que você deseja alcançar lá na frente.

 

Por isso, procure um profissional que lhe passe confiança, respeito e que você se sinta realmente a vontade para falar tudo o que você gostaria de falar.

 

O processo de psicoterapia é um investimento em si mesmo, pense a respeito.

 

Marilice Everton Zanato 

Psicóloga Clínica e Organizacional 

Facilitadora em Constelações Familiares e PanGarden / Constelação Criativa